Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Clique para aumentar

 

Aroportal, 2011.04.28 

A Universidade Técnica de Lisboa (UTL), através da Reitoria e com o Centro de Estudos Florestais, do Instituto Superior de Agronomia, promove o lançamento do livro "Qualidade e Utilização Tecnológica do Eucalipto (Eucalyptus globulus)" a 29 de Abril, pelas 17h30. A sessão decorrerá na Sala Fundação EDP, na Reitoria da UTL.

A indústria de pasta e papel que se baseia no eucalipto como matéria-prima tem uma enorme importância económica e social em Portugal, tratando-se de um sector fortemente exportador. Portugal foi pioneiro não só nos primeiros ensaios de utilização de eucalipto para produção de pasta parar papel no séc. XIX, como também a utilizar em larga escala a plantação de eucaliptos para fins industriais em meados do séc. XX. Portugal foi ainda pioneiro na investigação sobre o eucalipto tanto a nível florestal como industrial. O Centro de Estudos Florestais foi criado, em 1976, no Instituto Superior de Agronomia da Universidade Técnica de Lisboa, dedicando-se de uma maneira integrada e pluridisciplinar ao estudo do ecossistema eucaliptal.

Este livro resulta dos resultados científicos e do novo conhecimento gerado pelos investigadores deste centro. Coordenado pela professora Helena Pereira, que é a primeira autora, acompanhada por um grupo alargado de oito co-autores (Isabel Miranda, Jorge Gominho, Fátima Tavares, Teresa Quilhó, José Graça, José Rodrigues, Anatoly Shatalov, Sofia Knapic), e prefaciado por Pedro Queiroz Pereira, este livro pretende constituir uma obra de referência sobre a caracterização do eucalipto e da sua madeira para fins industriais.

O livro reúne o conhecimento actual sobre os eucaliptos como matéria-prima industrial, de uma forma clara e sistemática, em três grandes partes: qualidade do tronco, qualidade da madeira e utilização tecnológica. Esta abordagem conjunta é inédita. Os autores utilizaram como fontes não só publicações científicas e técnicas disponíveis internacionalmente, mas também outras fontes menos acessíveis como relatórios ou teses académicas. Em alguns casos, incluiu-se conhecimento original dos autores, não publicado.

Este livro destina-se a estudantes e investigadores de ciências florestais, biologia, engenharia química e ciência dos materiais, aos técnicos de produção florestal e da indústria de produtos florestais. A todos os que se interessam por conhecer melhor o que é o eucalipto e como se pode utilizar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Diário Económico, Ana Petronilho  
14/03/11 10:55


A Universidade de Lisboa e a Universidade Técnica de Lisboa estão a verificar as vantagens e desvantagens de fundir serviços, como a acção social.

Duas universidades de Lisboa e duas do Porto estão a analisar a possibilidade de fusão de serviços. A hipótese de juntar os serviços de acção social foi avançada pelo Ministério da Ciência e Ensino Superior às universidades.

A Universidade de Lisboa e a Universidade Técnica de Lisboa estão a verificar as vantagens e desvantagens para avançar com a união de vários serviços das duas instituições, entre os quais os serviços de acção social. Esta é uma medida que significa uma contenção nas despesas das instituições de ensino superior e que traz uma racionalização de recursos.

Apesar de ainda não ser possível "adiantar datas ou mesmo limites temporais concretos" uma das questões que tem vindo a estar "obrigatoriamente em cima da mesa" nas reuniões que tem vindo a decorrer entre os dois reitores é "a fusão dos Serviços de Acção Social", revela o reitor da Universidade Técnica de Lisboa, Fernando Ramôa Ribeiro. Uma posição partilhada pelo reitor da Universidade de Lisboa, António Sampaio da Nóvoa, que sublinha que "há uma atitude de abertura a essa iniciativa" e acrescenta que, em sua opinião, "há instituições e serviços a mais e a fusão é uma boa solução para prestar melhores serviços aos estudantes". Sampaio da Nóvoa sublinha mesmo que "é preciso que as instituições de ensino superior se entendam e se dependesse de mim, a fusão seria mais rápida porque o País não pode adiar muito mais estas soluções num contexto de crise".

Os reitores sublinham que o cálculo da poupança na despesa das universidades ainda não foi feito mas antecipam já algumas vantagens desta fusão: "pode haver melhor distribuição e maior disponibilidade de alojamentos e cantinas, melhor apoio médico e melhor utilização de serviços comuns, como limpeza e manutenção", explica Ramôa Ribeiro.

Mas, para o reitor da UTL também existem desvantagens na fusão, que passam pela "gestão dos processos quando o grupo de estudantes cujas necessidades têm que ser satisfeitas cresce para o dobro".

A Universidade do Porto (UP) também está a pôr em cima da mesa a mesma iniciativa de fusão com o Instituto Politécnico do Porto (IPP). Segundo estas instituições de ensino superior a fusão dos serviços de acção social foi uma hipótese colocada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, a que a UP e o IPP concordaram analisar conjuntamente. No entanto, a questão ainda não foi objecto de discussão profunda.

Segundo Sampaio da Nóvoa, esta é uma iniciativa que o MCTES tem conhecimento e á qual "já manifestou o seu total apoio no decurso de reuniões" com os reitores. O reitor da UL refere ainda que "o Governo tem muitos instrumentos que podem ajudar, ou travar, estas iniciativas". Mas, Ramôa Ribeiro explica que as universidades portuguesas "têm a autonomia necessária e suficiente para poder propor decisões à tutela por sua iniciativa".
Contactado pelo Diário Económico o MCTES não respondeu até à hora de fecho desta edição.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A UTL em números 2010

por papinto, em 03.03.11
Utl Em Numeros2010

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Fusão de universidades em Lisboa ?"é inevitável"

Por Andreia Sanches

Reeleito por unanimidade, Ramôa Ribeiro diz estar disponível para se sentar à mesa com outros reitores e falar de fusões


 

Lamenta que em Portugal não existam rankings que comparem universidades. E vai nomear um pró-reitor só para tratar deste tema. Acredita que o país precisa de mais diplomados. Mas que há cursos a mais. Fernando Manuel Ramôa Ribeiro, de 65 anos, reeleito por unanimidade reitor da Universidade Técnica de Lisboa (UTL), onde estudam mais de 22 mil alunos, toma hoje posse.

Defende a fusão dos Serviços de Acção Social (SAS) das universidades de Lisboa. Porquê?

Actualmente estão totalmente separados. Penso que todos ganharíamos se houvesse poupança de meios.

E é possível ir mais longe, para além da fusão dos SAS? Actualmente existem quatro instituições universitárias públicas na capital [sem contar com a Universidade Aberta].

É verdade que, hoje em dia, e sobretudo em termos dos rankings, a massa crítica, o número de alunos e a excelência são os critérios fundamentais. Em Lyon, a ministra francesa fundiu tudo - eles tinham quatro faculdades de Medicina, por exemplo; fundiram em duas [a Universidade de Lyon tem hoje 120 mil alunos]. Nós queremos ficar bem situados nos rankings europeus, mas quando começarmos a aparecer com 20 e tal mil alunos, logo aí temos uma grande desvantagem em relação a instituições europeias maiores...

No futuro, estou disponível para falar sobre este assunto. A UTL tem uma gestão muito diferente da que existe noutras universidades. Noutras, o poder está muito mais concentrado no reitor; no caso da UTL, até porque muitas das suas faculdades são mais antigas do que a própria universidade, estas têm uma grande autonomia que não querem perder - e eu também não me sinto mal nesta posição. Tenho poderes suficientes para exercer a minha magistratura de influência em relação ao que acho importante e estes últimos quatro anos foram muito proveitosos. A minha eleição por unanimidade deu-me imensa satisfação porque demonstrou a coesão que existe. E que não existia.

Sente da parte dos outros reitores a mesma disponibilidade para falar de fusões?

O reitor da Universidade de Lisboa (UL) tem-na manifestado publicamente... Com os outros reitores não tenho falado.

Mas é inevitável que acabe por acontecer?

É inevitável se se preservar a autonomia das universidades, com o seu próprio modelo de gestão. Seria importante associar também todos os centros de investigação de Lisboa. Mas é naturalmente um processo longo. Estas fusões em França demoraram oito, nove anos a acontecer, porque há uma grande resistência das universidades.

Dou um exemplo: a UL não tem cursos de Economia nem de Gestão. Nós temos o Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), que é a escola mais antiga nesta área... Mas a UL tem Direito. E nós não temos Direito. Já temos dito que era importante ter maior mobilidade de docentes de Direito para a nossa universidade e docentes de Economia e Gestão para a faculdade de Direito. Isso são coisas de que já estamos a tratar. E já há vários doutoramentos conjuntos, que têm sido um sucesso.

Em Portugal é preciso racionalizar o sistema de ensino superior. Há universidades a mais, politécnicos a mais, licenciaturas a mais, mestrados a mais. A agência da avaliação e acreditação do ensino superior (A3ES) tem feito um bom trabalho, mas não pode tomar decisões políticas.

Nos EUA, pelo menos até há algum tempo, para que uma universidade fosse criada tinha que ter dois milhões de pessoas à volta. Em Portugal se essa regra existisse... [no país existem 15 universidades públicas].

Há condições para começar já esse debate das fusões?

Vamos aguardar algum tempo e talvez dentro de seis meses possamos começar a discutir.

Significa transformar as instituições universitárias que existem em Lisboa numa só?

Ou não. Em França tem-se feito uma coisa: ter uma instituição chapéu, um reitor, ou um presidente da universidade, sendo que as universidades mantêm alguma da sua autonomia. Do ponto de vista externo aparece "Universidade de Lyon" - e houve fusões de faculdades, juntaram-se os centros de investigação, porque não se pode fazer investigação separada do ensino. Portanto, a ideia pode ser essa: haver um presidente único, em que as universidades de Lisboa possam numa fase inicial manter a sua autonomia, e ter uma "Universidade de Lisboa" ou "Técnica de Lisboa" - o nome, depois, será certamente motivo de discussão porque todos quererão manter o seu nome.

Isso significa acabar com cursos. Por exemplo: em vez de haver um curso de Ciências da Comunicação na Universidade Nova e outro na Técnica, passaria a haver um só.

Sim, por exemplo.

Serão precisos menos professores.

Poderia implicar a redução do número de professores, mas se os alunos aumentarem, não haverá grande redução. Em relação aos professores, há um assunto que neste momento acho muito mais complicado, que é a renovação do corpo docente. A idade média dos docentes na UTL é 50 anos. Penso que em Outubro será possível haver alguma renovação, porque 50 catedráticos associados vão aposentar-se. E, portanto, vai-se libertar alguma verba para contratar professores auxiliares. É urgente contratar. Ainda por cima, temos jovens doutorados no estrangeiro de grande qualidade e não nos podemos dar ao luxo de perder os nossos melhores. Os grandes saltos dão-se com pessoas geniais e não podemos perder os nossos génios que estão no estrangeiro. É preciso sangue novo.

Constitucionalmente não é possível mandar fechar um curso que não tem empregabilidade. Devia ser possível?

Acho que sim. Na UTL temos valores de empregabilidade muito bons, o que significa que os nossos diplomas são muito valiosos - dados de 2006 a 2008 mostraram que os diplomados têm emprego assegurado no 1.º ano em 95 por cento dos casos. Mas há instituições com cursos de empregabilidade muito baixa.

Fala muito de rankings, mas em Portugal não há rankings de universidades.

Falo muito de rankings ao contrário de alguns dos meus colegas.

Em Inglaterra existe um ranking feito todos os anos e nenhuma instituição acha mal que de um ano para o outro passe do 1.º lugar para o 4.º...

Quem pode fazer o ranking cá?

A própria A3ES pode ter esse papel. Vai ter muita informação sobre os centros de investigação, os cursos, as licenciaturas que são más. Não sei se o professor Alberto Amaral [o presidente da agência] se quer meter nisso, mas a A3ES é um organismo que todos consideramos isento.

Quem tem medo dos rankings é quem tem pouca qualidade?

Não queria ser tão forte nessa afirmação. Vai haver um ranking europeu, que está a ser preparado pela Comissão Europeia, e nós temos que entrar. As instituições que não apanharem o comboio ficarão afastadas da participação nos grandes projectos comunitários. É minha intenção nomear um pró-reitor para os rankings que terá entre outras funções a de estudar os rankings internacionais, estar atento, perceber por que é que por vezes não aparecemos...

O processo de Bolonha [que levou à reorganização do superior em torno de princípios comuns na Europa] baixou a qualidade do ensino?

Pelo menos na UTL penso que não. Agora, aquilo que se previa... cada aluno ter o seu tutor, muito mais trabalho em casa, muito menos aulas... se formos ver o número de aulas é muito semelhante ao que era dado anteriormente. Onde houve grandes avanços foi na mobilidade dos estudantes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Plynceemerito

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

CartaDireitosGarantias

Autoria e outros dados (tags, etc)

ver calendário aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Regulamento Geral PrestacaoServicoDocentes UTL

Autoria e outros dados (tags, etc)

2009-05-14

 

A Universidade Técnica de Lisboa é uma das 22 instituições de ensino superior europeias que obteve o “selo de qualidade” atribuído pela Comissão Europeia – O ECTS LABEL (Sistema Europeu de Transferência de Créditos). A Cerimónia de entrega, promovida pela Comissão Europeia, terá lugar em Bruxelas no dia 11 de Junho.

 

O Selo ECTS atesta a qualidade da informação sobre a oferta formativa e a gestão da mobilidade de estudantes no âmbito do Espaço Europeu de Ensino Superior. As normas fixadas pela Comissão Europeia para a sua atribuição são extremamente exigentes.

A avaliação das candidaturas foi realizada em duas fases: uma primeira selecção efectuada pelas Agências Nacionais de cada país e a decisão final pela Agência Erasmus da Comissão Europeia (AECE).

A atribuição do ECTS Label insere-se na estratégia da Universidade Técnica de Lisboa de internacionalização do Ensino e implementação das recomendações da Declaração de Bolonha.

De um total de duas mil instituições de Ensino Superior com a Erasmus University Charter (Carta Universitária Erasmus), 66 candidataram-se a este certificado e só quatro Instituições de Ensino Superior portuguesas obtiveram este selo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Público, 13.12.2008, Bárbara Wong


O Tribunal de Contas (TC) detectou irregularidades na gerência de 2006 do Instituto Superior Técnico (IST), em Lisboa, e apresentou dez recomendações, entre as quais a cessação do pagamento de suplementos remuneratórios a dirigentes.
Matos Ferreira, presidente do IST, sublinha que da auditoria realizada "não foi detectada qualquer situação que configurasse desonestidade ou indevida apropriação individual ou colectiva de bens ou dinheiros públicos" e lembra que 60 por cento do orçamento do IST é de receitas próprias angariadas através da actividade dos professores e trabalhadores não-docentes em projectos de investigação, bem como da prestação de serviços. "Os pagamentos são feitos com receitas próprias, são aprovados pela Assembleia de Representantes e temos autonomia universitária para o fazer", justifica. No entanto, reconhece que o IST "procedeu a inúmeras alterações de procedimentos" depois de feita a auditoria, "tendo ido ao encontro de inúmeras sugestões apresentadas".
No relatório hoje divulgado, o TC refere que a conta do IST "apresenta erros, lapsos e omissões de natureza contabilística e incorrecções". O TC considera ilegal o pagamento de prémios a docentes e a não-docentes e recomenda que sejam suspensos. Matos Ferreira explica que são compensações devidas a quem acumula funções e que estas existem desde 1990, estão previstas nos estatutos homologados e publicados no Diário da República. Noutras auditorias, esta questão "nunca foi contestada, nem as remunerações consideradas ilegais", refere.
O TC defende que o "reembolso e adiantamentos a fornecedores" sejam feitos "apenas nos termos legalmente previstos" e que "os protocolos, suportados em relatórios de execução, sejam devidamente justificados em documentos de despesa".
A definição de um sistema de controlo interno que garanta a salvaguarda dos activos, a legalidade e a regularidade das operações, a integralidade e exactidão dos registos contabilísticos e a eficácia da gestão e a qualidade da informação, são outras das recomendações. "Parece que o dinheiro desaparece sem justificações e isso não aconteceu", reage Matos Ferreira que classifica o relatório como de uma "ortodoxia burocrática" que não faz sentido numa instituição com a dimensão do IST.
O instituto da Universidade Técnica de Lisboa tem autonomia estatutária, científica, pedagógica, administrativa e financeira.

com Lusa
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:






subscrever feeds