Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A new report paints a bleak picture of water demands in the Southwest outstripping supplies in the coming decades, and suggests some farmers in Utah and New Mexico would be better off selling water instead of using it to grow low value-crops such as cotton and grains.

http://www.newwest.net/ By Brendon Bosworth, 3-08-11

  An aerial view of New Mexico farmland. Photo by Flickr user <a target=
  An aerial view of New Mexico farmland. Photo by Flickr user laureskew.

The future of water supplies in the Southwest – Arizona, California, Nevada, New Mexico, and Utah – has been under close scrutiny by scientists, economists and policymakers. Already, the amount of water available each year from rain and snowfall is less than what is being used by farmers and homeowners in these states, with the deficit made up by pumping groundwater from underground sources.

Rising temperatures in future – a result of climate change – are predicted to put further stress on water reserves. As a new report, “The Last Drop: Climate Change and the Southwest Water Crisis,” by economists Frank Ackerman and Elizabeth Stanton from the Stockholm Environment Institute, bluntly states, “water demand in the Southwest will outstrip water supply in the near future.”

Water from the already strained Colorado River, which supplies 18 percent of the region’s water, and groundwater supplies, which account for 35 percent of water use, is projected to be unable to meet the needs of a growing population with increasing incomes in the next 100 years. Climate change exacerbates the problem. The researchers emphasize that “continuing the current trend in global greenhouse gas emissions will make the cost of the next century’s projected water shortage at least 25 percent higher.”

Ackerman and Stanton highlight that close to four-fifths of the Southwest’s water is used for agriculture. A fifth goes to homes and commercial businesses, while the electricity, mining and industrial sectors each use less than 1 percent.

Southwest states are responsible for 20 percent of agriculture’s share of the national GDP, with California making up 16.4 percent by itself. Even though agriculture drains nearly 80 percent of Southwestern water supplies, it makes up a small piece of the GDP pie, contributing just 1 percent of Southwest GDP. Overall, farming contributed 0.8 percent of U.S. GDP in 2005, according to the report.

Prioritizing Higher Value Crops Could Be Key

The economists suggest that cutting back on crops that don’t fetch enough value for the amount of water used to grow them is one way to help curb the growing demands for water. This, they write, would “have little impact on U.S. or world agricultural markets, but a big impact in balancing water use with water supply in the Southwest.”

Ackerman and Stanton ranked Southwestern crops based on their dollar value per acre-foot of water used to grow them. (An acre-foot of water is considered enough to meet the needs of two four-person families for a year).

Nursery and greenhouse products came out on top, earning $28,000 per acre-foot. Vegetables, fruits and nuts generally brought in sales above $1,000 per acre-foot. Dairy and cattle (with water for hay to feed them factored in) came in at $900 per acre-foot. However, there was a huge discrepancy between California, where dairy and cattle earn more than $1,200 per acre-foot, and Utah, where they earn less than $250 per acre-foot.

Cotton, wheat, corn, rice and other grains scored low, with values of under $500 per acre-foot.

Hay is somewhat of an outlier, since across the Southwest it fetches the lowest value per acre-foot of water used – $121 on average. But, as the researchers emphasize, it’s important since it’s grown chiefly to feed cattle and dairy animals.

Using data from the National Agricultural Statistics Service, Ackerman and Stanton calculate that hay saps 42 percent of the Southwest’s agricultural water, while dairy and cattle account for 31 percent of total agricultural sales in the region. This relationship differs by state.

In Utah 94 percent of agricultural water goes to hay growing, but cattle and dairy sales only bring in 45 percent of the state’s total agricultural sales.

In New Mexico the ratio is more evenly weighted. Seventy-six percent of the state’s agricultural water is funneled to hay growing, while dairy and cattle account for 74 percent of total agricultural sales.

“Hay is more complicated than the other crops. We’re not making any direct recommendation there,” said Stanton in a telephone interview.

However, Stanton said hay is usually not transported over long distances and tends to be sold through local markets, but looking at selling it more widely is something that could be considered. She also explained that there is room for research into more efficient uses of water in hay farming.

“This is an area where so much water is used in such dry areas that it seems like a priority area for government extension services and universities to get involved and say, ‘How can we grow this hay with less water?’” she said.

According to Ackerman and Stanton, “in most Southwest states, farming cotton, grains, oilseeds and dry beans and peas brings in less value per acre-foot of water than would the sale of the water itself.” In theory, this means some farmers would be better off selling water instead of using it to grow their crops, although in reality they seldom have the rights to do so.

While the cost of water varies for different users in different states, according to water rights, allocations and subsidies, the authors highlight that some municipalities pay $2,000 or even $3,000 per acre-foot to supply water to homes and businesses. In Utah utilities have paid up to almost $5,200 per acre-foot, according to the report.

The report also shows how different states exert different demands on water supplies. Utah, for instance, “uses more domestic water per capita than any state but Nevada per day.” New Mexico uses the least domestic water per capita in the Southwest, which means it ranks 16th in the country for domestic water usage. At the same time, New Mexico uses close to 90 percent of its water supply on agriculture.

The researchers suggest that “eliminating the lowest value-per-unit-water crops (excluding hay) would lower agricultural water use by 24 percent, while reducing farm sales by less than 5 percent.”

“We can’t say anything about the particular circumstances of particular farms, but the suggestion would be to switch from a lower value crop to a higher value crop,” said Stanton. “And these aren’t just crops that are lower value in terms of per-acre foot [of water used]. These are also lower value crops in general.”

In strictly financial terms, Ackerman and Stanton calculate that by 2050 increasing water shortages will cost the Southwest between $7 billion and $15 billion – about 0.3 to 0.6 percent of the region’s GDP for 2009. By 2100 projected costs hit between $9 billion and $23 billion.

“Adaptation,” they write, is “a bargain that the region cannot afford to ignore.”

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alqueva iniciou descargas controladas

por papinto, em 06.01.11

 

 

Pelo segundo ano consecutivo a barragem de Alqueva está a proceder a descargas controladas em resultado da subida contínua do nível das águas na albufeira de Alqueva, actualmente à cota 150,78.

 

As descargas, de 700 m3 por segundo, estão a efectuar-se pelos dois descarregadores de meio fundo, na ordem dos 150 m3 por segundo cada um, e pela Central Hidroeléctrica, na ordem dos 400 m3 por segundo.

Também a barragem de Pedrógão, 23 quilómetros a Sul de Alqueva, está a descarregar caudais com valores equivalentes, uma vez que a sua albufeira se encontra no nível de pleno armazenamento.

Este procedimento é feito no sentido de prevenir eventuais descargas futuras de caudais mais elevados e dele já foi dado conhecimento aos serviços da Protecção Civil.

A subida do nível da albufeira de Alqueva depende das afluências que se venham a verificar, quer pela precipitação, quer pela libertação de caudais de outras barragens na mesma bacia hidrográfica, avaliando-se a cada momento o evoluir da situação.

A albufeira de Alqueva, cujo nível de pleno armazenamento se encontra à cota 152, atingiu o seu nível máximo há um ano, tendo libertado cerca de 3 500 milhões de metros cúbicos entre Janeiro de Março de 2010.

Fonte:  Edia

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Público 2010.08.19 Carlos Dias

Vão ser precisos mais de 30 milhões de euros para recuperar e requalificar apenas oito das 49 infra-estruturas hidroagrícolas que se encontram obsoletas ou degradadas


 

Cerca de dois terços dos 25 aproveitamentos hidroagrícolas colectivos construídos e equipados pelo Estado no continente nos anos 60 do século passado, para fornecer água a quase 100 mil hectares de regadio, atingiram o seu tempo de vida útil. Esta informação está expressa num estudo elaborado pela Direcção-Geral da Agricultura e do Desenvolvimento Rural (DGARD), entidade que gere os sistemas de regadio nacionais.

O documento acentua que há equipamentos de rega que se encontram em situação de "colapso total" e que nestas condições "não é possível garantir o fornecimento de água aos beneficiários" de rega de norte a sul do país. Assim, "torna-se essencial que se dê cada vez mais atenção" à necessidade de intervenção nestes aproveitamentos de modo "a assegurar a sua renovação", adianta o estudo.

A dimensão das anomalias detectadas impõe uma intervenção que garanta a continuidade do regadio nos sistemas a necessitar de urgente recuperação ou requalificação, mas, como os recursos financeiros "são escassos", terá de haver "escolhas criteriosas" por parte da Autoridade Nacional do Regadio (ANR).

Mesmo assim, a "Operação de Reabilitação das Infra-estruturas Agrícolas", financiada pelo Programa de Desenvolvimento Regional (Proder), exige um investimento superior a 30 milhões de euros, quando inicialmente estavam previstos 21 milhões de euros. A ANR vistoriou 49 situações correspondentes a 15 aproveitamentos, mas só oito infra-estruturas hidroagrícolas é que vão ser sujeitas a obras de recuperação ou de requalificação, em função da verba disponibilizada no Proder.

Aos sinais de degradação que apresentam os sistemas de regadio de norte a sul do país junta-se o abandono progressivo de áreas de rega. José Núncio, presidente da Federação Nacional de Rega (Fenareg), dá o alerta: "Em 1989 existiam no continente 650 mil hectares de terras regadas. Em 2007 foram utilizados 422 mil hectares." Em pouco mais de sete anos deixaram de ser cultivados 234 mil hectares de regadio, uma quebra substancial que dificilmente será atenuada com os 110 mil hectares do sistema de Alqueva que estarão prontos até final de 2012, mas onde já é patente a baixa procura das culturas regadas, quando está concluída cerca de metade da área a regar que o projecto engloba.

O 3.º Congresso Nacional de Regadio, realizado em Beja no passado mês de Maio, deixou claro que o modelo até aqui seguido para o regadio terá de ser reequacionado.

O ex-ministro da Agricultura, Armando Sevinate Pinto, durante a sua intervenção no evento destacou que o país "está longe de atingir patamares razoáveis na gestão da água e do regadio" e sugeriu aos utilizadores deste modelo agrícola e à tutela que devem "priorizar-se" os regadios existentes em detrimento de novos sistemas.

Também a nível mundial a situação não é melhor. Rui Fragoso, docente na Universidade de Évora, sublinhou que, só na segunda metade do século XX, o Banco Mundial "apoiou a construção por todo o mundo de 45.000 barragens" para dar apoio a 389 milhões de hectares de regadio.

No entanto, este modelo tinha dois pressupostos que acabaram por "asfixiar" o sistema.

Incentivou o crescimento da procura, de que resultaram para o presente "impactes ambientais tremendos", a um ponto tal que nos anos 80 "o modelo entrou em crise", observou o docente, frisando que "hoje já não se defendem este tipo de investimentos" na medida em que a maior parte deles tem custos sociais elevados, expressos na "diminuição da oferta de água, a par do aumento da sua procura", salientou.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Por Carlos Dias

Alqueva recebeu em três meses 4500 hectómetros cúbicos de água, o que constitui uma importante reserva para consumo humano e regadio


Tanto as autoridades portugueses como espanholas não podiam estar mais satisfeitas com as reservas de água que o último Inverno, particularmente chuvoso, deixou na rede de barragens distribuídas pelo alto, médio e baixo Guadiana. Tanto o regadio como o abastecimento de água às populações estão garantidos durante os próximos três a quatro anos.

O balanço feito pela Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas de Alqueva (EDIA) sobre as afluências vindas de Espanha desde o começo do último Inverno e até ao momento em que foram encerrados os descarregadores de meio fundo da barragem, é elucidativo: durante três meses, entraram em Alqueva 4500 hm3 cúbicos. A albufeira tinha no dia 21 de Dezembro do último ano 3231 hm3 de água. Precisou de pouco mais de mil hm3 para atingir, pela primeira vez, desde que foram encerradas as comportas da barragem em Março de 2002, a sua capacidade máxima de enchimento (4150 hm3), alcançada a 12 de Janeiro passado. Além disso foram libertados pelos descarregadores de meio fundo e utilizados na produção de energia na central hidroeléctrica de Alqueva 3500 hm3.

Na bacia hidrográfica do Guadiana em território espanhol as 29 barragens sob administração da Confederação Hidrográfica do Guadiana (CHG) retinham no primeiro dia do último Inverno 2935 hm3. No balanço efectuado pela CHG no passado dia 8 de Abril, é referido que as albufeiras do outro lado da fronteira tinham, actualmente, 8083 hm3, considerado um máximo histórico.

Desta forma foi autorizado o fornecimento de água para o abastecimento da população, usos industriais (não energéticos) e rega. Eduardo Alvarado, presidente da CHG, destacou a transformação "radical e positiva" que se regista nas albufeiras instaladas na bacia do Guadiana em território espanhol, tendo como referência 2009, o que permite "encarar os próximos anos com mais segurança e garantia de água" para os diversos usos da actividade humana, realçando, contudo, "a necessidade da poupança e o uso eficiente da água".

Em território nacional, por agora, a barragem de Alqueva vai continuar a libertar água apenas para a produção de energia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Há novos blocos de rega prontos a cultivar e água com fartura, mas a maioria dos agricultores alentejanos não dispõe de capacidade financeira nem de conhecimento técnico para transformar as terras de sequeiro em regadio. O ministro da Agricultura queixa-se do ensino, as escolas devolvem as críticas. Por Carlos Dias


Durante anos, pensou-se que o mais difícil no projecto Alqueva era fazer a obra. Feita a barragem, a dúvida passou a ser se alguma vez se encheria a albufeira. Atingido esse marco, a questão passou a ser: "E agora?" E agora, deveria vir o mais fácil, isto é, aproveitar os recursos e concretizar tudo o que se prometia, na agricultura, na energia e no turismo. Porém, o que parecia à mão de semear parece, afinal, mais difícil de vingar. O aproveitamento hídrico de Alqueva está longe de servir a agricultura como se pensava que aconteceria. Porque, enquanto a barragem foi enchendo, o país se esqueceu de preparar os recursos humanos para o abandono da agricultura de sequeiro e a mudança para a de regadio.

Alqueva deveria trazer uma nova forma de trabalhar a terra. O Governo admite que, não havendo em Portugal quem o faça, será necessário recorrer aos vizinhos espanhóis. Era previsível?

O ano 2000 dava os primeiros passos. A construção da Barragem de Alqueva decorria sem percalços dignos de registo. Milhares de pessoas vindas de automóvel e de autocarro deslocavam-se em romaria ao local das obras, sobretudo aos fins-de-semana, para confirmar como um mito se transformava em realidade.

O entusiasmo na comunidade alentejana era tanto que a Empresa de Desenvolvimento e Infra-Estruturas de Alqueva (EDIA) entendeu ser tempo de descer do céu à terra e despir o projecto dos seus contornos messiânicos. E no dia 3 de Fevereiro de 2000 apresentou a um conjunto de técnicos e especialistas na vila alentejana de Portel, os resultados de um estudo que mandara elaborar sobre a compatibilidade do ensino na região e o mercado de emprego nos empreendimentos directa e indirectamente ligados a Alqueva. O regresso à realidade não podia ser mais perturbador. O que até então era dito em surdina passou a ser assumido às claras: o Alentejo, por si só, não tinha condições para gerir o projecto de fins múltiplos. Nem os agricultores estavam tecnologicamente qualificados, nem as universidades alentejanas incentivavam formação em culturas regadas.

Tijolo no Algarve

O diagnóstico vai mais fundo nas questões estruturais e destaca os sinais "de uma região com pouca capacidade de iniciativa" marcada pelo analfabetismo e um crescimento demográfico negativo.

A alternativa que o estudo propunha apontava para a necessidade de capitais externos, já que um dos principais estrangulamentos regionais era, precisamente, a reduzida dimensão da estrutura empresarial e a sua deficiente capacidade de iniciativa, encarada como constrangimento estrutural. Um exemplo: os cerca de 100 milhões que a EDIA desembolsou pela expropriação de terras para a instalação do empreendimento "não foram reutilizados na região". Boa parte deste dinheiro foi aplicado "em tijolo no Algarve" revelou, em 2000, Adérito Serrão, então administrador daquela empresa.

Uma década passou e quando a albufeira de Alqueva atinge, pela primeira vez, o enchimento pleno, volta a ser questionada a capacidade da região para potenciar o projecto que envolve um investimento previsto de 2363 milhões de euros, dos quais já se executaram, até ao final de 2008, cerca de 1431 milhões de euros.

No Estudo dos Impactes Previsíveis do Projecto de Fins Múltiplos do Alqueva na Configuração dos Recursos Humanos do Alentejo, também divulgado pela EDIA, em Maio de 2009, as conclusões parecem tiradas a papel químico do documento publicado em 2000. Persiste um "forte peso" dos trabalhadores agrícolas idosos, e com "baixas" qualificações escolares e técnicas. Outros constangimentos: "escassez de recursos humanos", a "continuidade" da actividade produtiva agrícola "concentrada num reduzido número de culturas" de sequeiro, que se desenvolve em terrenos com pouca água e com culturas específicas.

Aponta-se ainda a "debilidade" do sistema de comercialização regional e a "fraca" competitividade do tecido empresarial agrícola, em contraste com a "forte presença de capital estrangeiro", que pode levar a que "grande parte do valor acrescentado e dos efeitos multiplicadores das actividades seja apropriada fora da região". Persiste ainda o êxodo populacional para outras regiões, nomeadamente Lisboa e Algarve, "em especial dos mais jovens que efectuaram formação e que possuem uma qualificação média".

Ministro critica ensino

O ministro da Agricultura, António Serrano, não contorna esta realidade e numa recente visita a Beja reconheceu que "falta investigação" nas instituições de ensino da região, admitindo que estas não estão preparadas para ajudar a desenvolver as potencialidades oferecidas pelo regadio de Alqueva. O governante considera não ser necessário trazer da vizinha Espanha o conhecimento necessário para produzir novas culturas em Alqueva, mas não descarta essa possibilidade, se não vir outra alternativa.

E, procurando deixar claro até onde vai o seu propósito de inverter o actual estado de coisas, António Serrano anunciou que o Centro Operativo de Tecnologia e Regadio (COTR), criado em 1999 para formar e apoiar os agricultores na gestão dos novos sistemas de rega, e que estava prestes a entrar em falência por escassez de meios e de trabalho, vai ficar sob gestão da EDIA.

Isaurindo de Oliveira, que foi director técnico do COTR até muito recentemente, reage à decisão do ministro da Agricultura com cepticismo. "Ainda vamos estar muitos anos na mesma situação", sentencia. A situação do centro operativo "não se resolve por decreto, mas com ideias", prossegue, referindo que no panorama actual das práticas de regadio "não existem pessoas com formação". Daí que entregar a agricultores sem formação o regadio de Alqueva "é a mesma coisa que dar um Ferrari a quem anda de burro", compara Isaurindo de Oliveira, sublinhando que levar a informação e, sobretudo, mudar práticas "leva muito tempo". Quem fez sequeiro não está preparado para, "de repente, fazer regadio", apesar de no Alentejo já estarem instalados há décadas 120 mil hectares de regadio a que se vão juntar mais 110 mil proporcionados por Alqueva. Ora esta imensa área para regar obriga a "consumos brutais de energia", já que o sistema fornece água bombeada sob pressão.

É precisamente o factor custo final da água, para além da falta de conhecimentos, que está a deixar relutantes os agricultores, receosos com os encargos incomportáveis com o consumo da água.

O Ministério da Agricultura garantiu ao PÚBLICO que ainda este mês será anunciado o valor do metro cúbico de água vinda de Alqueva. Vai ter um custo concorrencial (político) em relação ao que é pago pelos agricultores espanhóis da Estremadura e Andaluzia, um dos instrumentos que o ministro apresenta para viabilizar a componente agrícola do empreendimento.

Escolas devolvem críticas

A apreciação negativa que o ministro da Agricultura faz do papel das instituições de ensino na formação de quadros técnicos para o regadio merece reparos de Vito Carioca, presidente do Instituto Politécnico de Beja. "As afirmações do ministro não são as mais contextualizadas", diz, imputando ao Governo "a falta de uma estratégia, de um projecto determinado, consistente". Alqueva implica uma estrutura e um investimento na investigação e na formação que "o poder central não fez", conclui Vito Carioca.

Carlos Mattamouros Resende, ex-presidente do Instituto de Desenvolvimento Rural e Hidráulica, organismo entretanto extinto, critica a tutela por não ter "acautelado a formação e preparação" dos agricultores.

Este especialista criou um centro de competências, para desenvolver campos experimentais nas explorações e, desta forma, definir as culturas mais competitivas e economicamente viáveis e com boa colocação no mercado.

Em 2003, o Ministério da Agricultura definiu um novo modelo agrícola para a zona de intervenção de Alqueva, que previa o cultivo de 44 produtos agrícolas e, destes, apenas seis - grão-de-bico, amêndoa, citrinos, uva de mesa, olival e sementes forrageiras - eram considerados estratégicos. Foi ainda seleccionado um conjunto de produtos especiais como a carne de bovino, leite de cabra e ovelha, vinho, tomate seco e ameixa.

Por agora, prosseguem os ensaios com culturas para a produção de biocombustíveis: milho, colza, soja e girassol. Confrontado com as críticas à indefinição que paira sobre a componente agrícola de Alqueva, o Ministério da Agricultura garante que o projecto vai ser sujeito a uma "reponderação" que passa pela elaboração de um novo estudo que será "oportunamente divulgado".

Autoria e outros dados (tags, etc)

AgroPortal, 201002012

Um relatório elaborado pela Comissão Europeia publicado ontem revela que a taxa de nitratos nas águas da UE diminuíram. O relatório indica que a aplicação da legislação para evitar a poluição das águas subterrâneas e superficiais por nitratos de origem agrícola deu bons resultados. No entanto, em algumas áreas, as concentrações em nitratos excedem os padrões de qualidade das águas da UE, e é necessário que os agricultores continuem a adoptar práticas mais sustentáveis.

Janez Potocnik, Comissário para o Meio Ambiente, afirmou: "Manter a qualidade da água é uma prioridade para a política ambiental europeia. Os agricultores fizeram esforços consideráveis para melhorar a gestão da fertilização, que hoje produz bons resultados e promove uma melhor evolução da qualidade da água. No entanto, em algumas áreas, os padrões de qualidade da água na UE continuam a ser um desafio complexo e permanente. "

Evolução animadora da qualidade da água, mas persistem problemas importantes

A utilização agrícola dos nitratos nos adubos orgânicos e químicos tem sido uma importante fonte de poluição na Europa. Apesar dos nitratos serem um nutriente essencial para promover o crescimento das plantas e das culturas, as fortes concentrações são prejudiciais para os seres humanos e para a natureza.

O relatório ontem publicado sobre a aplicação da directiva relativa aos nitratos, que visa controlar a poluição e melhorar a qualidade da água, reflecte uma tendência de estabilização ou diminuição das concentrações de nitratos na UE. Entre 2004 e 2007, as concentrações de nitratos nas águas superficiais (incluindo rios, lagos e canais) manteve-se estável ou diminuiu em 70% dos pontos de monitorização. Em 66% dos sítios de monitorização da qualidade das águas subterrâneas (abaixo da superfície do solo) é estável ou está em vias de melhorar.

Apesar destas tendências encorajadoras, o relatório cita, no entanto, um número de áreas onde os níveis de nitratos são preocupantes. Altas concentrações foram registadas nas águas subterrâneas na Estónia, no sudeste da Holanda, Bélgica (Flandres), no Reino Unido (Inglaterra), em várias regiões da França, norte da Itália, nordeste de Espanha, sudeste da Eslováquia, sul da Roménia, Malta e Chipre. As concentrações são particularmente elevadas nas águas superficiais em Malta, no Reino Unido (Inglaterra), na Bélgica (Flandres) e na França (Bretanha).

Segundo o relatório, cerca de 15% das estações de monitorização das águas subterrâneas e 3% das estações de monitorização das águas de superfície apresentaram níveis de nitratos bem acima do padrão de qualidade da água fixado em 50 mg / l .

Trabalhos em curso

Uma boa vigilância é essencial e exige o estabelecimento de redes de grande qualidade, para monitorar a qualidade das águas subterrâneas, águas superficiais e marinhas. Existem actualmente 31 000 pontos de amostragem de águas subterrâneas na UE e 27 000 estações de monitorização das águas de superfície.

Mais de 300 diferentes programas de acção estão sendo implementados na UE e melhora a sua qualidade. As medidas incluem períodos de proibição da fertilização, um mínimo de armazenagem de estrume e de regras que limitem a aplicação de fertilizantes perto de água ou em encostas para reduzir o risco de poluição. Estas medidas são também muito benéficas para a qualidade do ar e ajudam a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa, como o óxido nitroso e o metano, dois dos principais gases responsáveis pela mudança climática.

Os Estados-Membros designaram áreas particularmente vulneráveis à poluição por nitratos, às quais se aplicam programas de acção específicos. Alguns Estados-Membros (Áustria, Dinamarca, Finlândia, Alemanha, Irlanda, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Holanda e Eslovénia), decidiram implementar programas de acção em todo o seu território para garantir o mesmo nível de protecção a nível nacional.

Apesar de uma acentuada melhoria na gestão dos fertilizantes e das práticas agrícolas, através de campanhas de informação e formação dos agricultores, são necessários esforços para atingir os objectivos de qualidade da água em toda a UE. Muitos Estados-Membros devem intensificar os seus esforços em algumas regiões, particularmente no acompanhamento e localização de áreas particularmente vulneráveis à poluição e no que respeita ao desenvolvimento de programas de acção reforçada.

Novas oportunidades para a gestão da poluição oferecida pela mais recente tecnologia

O relatório mostra um crescente interesse por parte dos agricultores para os métodos de alimentação inovadores, que reduzem a excreção de fertilizantes, e de novas tecnologias, como o tratamento dos efluentes pecuários. Essas tecnologias vão desde a simples separação de sólidos e líquidos, com técnicas mais avançadas para o tratamento de chorume em água limpa e adubo orgânico de alta qualidade. Eles são frequentemente associados com técnicas de recuperação de energia. Grupos de agricultores têm investido em projectos cooperativos, incluindo Bélgica, Holanda e Espanha.

Relatórios

Um relatório sobre a aplicação da directiva é elaborado a cada quatro anos, com base em informações fornecidas pelas autoridades nacionais. Em 2008-2009, 27 Estados-Membros apresentaram relatórios oficiais para o período 2004-2007.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Público, 20100102

Por Carlos Dias

Água atingiu, ontem, a cota 150,17 metros. É o maior volume desde que as comportas foram encerradas, a 8 de Março de 2002


As preces dos agricultores alentejanos quando já se sentiam acossados, mais uma vez, por um ano de seca, tiveram acolhimento. A chuva que alagou e encharcou abundantemente os campos da região nos últimos dias de 2009 abre boas perspectivas para a pecuária e a agricultura. E afasta o receio de uma seca monumental, como a de 2005.

O problema da escassez subsiste nalguns perímetros, mas a abundante precipitação que marcou o fim do ano serviu pelo menos para fixar um novo recorde na albufeira de Alqueva. Às 10h00 de ontem, o nível de água atingiu a cota 150,17 metros acima do nível do mar, o que corresponde a 91 por cento da sua capacidade máxima. E continuava a encher.

É o maior volume de água registado em Alqueva desde que as suas comportas foram encerradas a 8 de Março de 2002.

Em apenas 10 dias (entre 21 e 31 de Dezembro) entraram na albufeira de Alqueva cerca de 700 milhões de metros cúbicos de água. Para se ter uma ideia do "dilúvio" que em poucos dias quase encheu a albufeira, no dia 21 de Dezembro entrava um caudal médio, vindo de Espanha, de seis metros cúbicos por segundo; dez dias depois, a afluência atingia os cerca de 600 metros cúbicos por segundo, um volume que se pode manter a níveis altos nos próximos dias.

Castro e Brito, presidente da Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo, diz em declarações ao PÚBLICO que a precipitação dos últimos dias "é muito bem-vinda" tanto para a reposição dos níveis de água nas barragens como para garantir novas pastagens, mas adverte que "as necessidades de água na região não se esgotam com estas chuvas", porque não estão assegurados os recursos hídricos necessários à sustentabilidade das culturas da Primavera e do Verão. A escassez faz-se sentir sobretudo nos perímetros de rega da bacia do Sado (Roxo, Odivelas, Campilhas e Monte da Rocha), onde a água presente nas barragens de apoio ao regadio continua a ser insuficiente para assegurar em pleno as culturas das próximas estações.

Agricultores satisfeitos

Mesmo assim, o agricultor Luís Peres de Sousa está convencido de que os níveis de precipitação já permitem aos produtores "acalentar alguma esperança". "Quem diria, há 15 dias, que íriamos ter níveis tão elevados de precipitação?", observa. Em Novembro último, muitos produtores temiam a repetição de cenários de seca idênticos ao da grande seca de 2005. Há cerca de um mês, também as autoridades espanholas chegaram a admitir uma "redução significativa nos recursos hídricos disponíveis".

Quanto a Alqueva, a reserva armazenava, ontem de manhã, perto de 3900 milhões de metros cúbicos de água. Para atingir o enchimento pleno, têm de entrar mais 330 milhões de metros cúbicos. Caso isso acontecesse, seria atingida a almejada cota 152, o nível de pleno enchimento, que nunca foi alcançado desde que as comportas da grande barragem do Sul foram encerradas. À cota 152 correspondem 4150 milhões de metros cúbicos de água.

No restante ano de 2009, o nível de armazenamento oscilou entre a cota máxima de 148,90 (3500 milhões de metros cúbicos), em Fevereiro de 2009, e a cota mínima de 147,58 (3221 milhões de metros cúbicos) registada no dia 21 de Dezembro.

Com o volume de água que apresenta neste momento, Alqueva continua a superar a reserva existente nas 29 albufeiras instaladas nos afluentes do rio Guadiana em território espanhol.

Enxurrada em ribeira seca

No primeiro dia do presente Inverno, as 29 barragens espanholas retinham 2935 milhões de metros cúbicos. De então para cá receberam mais 610 milhões. Na província de Ciudad Real, onde nasce o Guadiana, algumas ribeiras que estiveram permanentemente secas durante os últimos 13 anos registaram enxurradas que provocaram cortes de estrada, devido a estes fenómenos meteorológicos inesperados.

Na bacia do Guadiana, a afluência de caudais repõe as reservas em níveis razoáveis, mas a do Sado pouco tem beneficiado do Inverno chuvoso. Das 12 barragens desta bacia, só duas (com pequena capacidade) têm um caudal superior aos 80 por cento, enquanto oito têm menos de metade e duas (Roxo e Campilhas) continuam abaixo dos 20 por cento.

Autoria e outros dados (tags, etc)