Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Universidades sabem ensinar?

por papinto, em 03.04.15

FELISBELA LOPES, JN, 2015-04-03

São três as missões de uma universidade: ensinar, investigar e valorizar o conhecimento de modo a contribuir para uma sociedade mais humanista e com crescimento sustentável. Nem sempre se cumpre isto com qualidade. E frequentemente as academias falham onde deveriam ser exemplares: no ensino. Isso acontece por diversas razões.

Os resultados da segunda edição do ranking global U-Multirank, divulgados esta semana, colocam seis instituições portuguesas entre as melhores do Mundo, numa avaliação que envolveu mais de 1200 universidades de 83 países. No entanto, esta classificação global oculta o problema da qualidade do ensino. O "Jornal de Notícias" escolheu precisamente este ângulo para noticiar os dados apresentados pelo U-Multirank, titulando que as academias portuguesas são "fortes a investigar, mas fracas a ensinar". O texto falava na (baixa) percentagem de novos alunos que acabam o curso com sucesso. Mas aos dados quantitativos, que os estafados rankings sempre privilegiam, há que acrescentar dimensões qualitativas e razões conjunturais para ler esta questão.

Centremo-nos no percurso de um professor de carreira do Ensino Superior. De assistente estagiário até catedrático, um professor universitário é obrigado ao longo de vários anos a prestar sucessivas provas públicas e a submeter ciclicamente o seu curriculum aos pares. Em todos os momentos, precisa de uma classificação positiva para subir de grau ou para permanecer na instituição. Precisa, portanto, de mostrar trabalho e isso, em Portugal, faz-se fundamentalmente através da investigação. Ao longo de toda a carreira, nas sucessivas provas que presta, um professor tem de demostrar que sabe, nunca faz prova de que sabe fazer ou ensinar. Acrescente-se que, em muitos casos, esses mesmos professores dedicam-se durante muitos anos à elaboração de teses esotéricas, sem qualquer ligação ao programa de uma cadeira ou à sociedade. E ali está um professor dedicado a um trabalho que apenas é interrompido com a tarefa "menor" das aulas que funcionam como uma espécie de intervalo daquilo que é o centro da sua profissão: a investigação.

Nos últimos anos, alguém se lembrou de introduzir uma outra avaliação dos docentes do Ensino Superior. Mais regular, mas igualmente tão inócua como as outras, se a ideia é avaliar as aulas ministradas. De tempos em tempos, o professor produz um relatório onde despeja tudo aquilo que foi capaz de fazer. E lá estão os congressos nacionais e internacionais (existe uma verdadeira indústria em torno destes encontros), os artigos publicados em revistas com avaliação dos pares (há poderosíssimas lógicas de mercado que pouco coincidem com a excelência dos textos), os júris de que se fez parte (onde nem sempre prevalecem critérios académicos para a composição do grupo que avalia um candidato), os projetos para os quais se conseguiu financiamento externo... E onde se avaliam as aulas? A criatividade, o rigor, a capacidade de comunicação do professor ou a disponibilidade para os alunos? E a evolução que os estudantes fazem da aprendizagem? Essas valências nunca são alvo de avaliação. Referem-se as Unidades Curriculares, apresentam-se metodologias e materiais de apoio e passa-se à frente.

Para colocar alguma ordem a uma situação que se desenvolve quase numa lógica de autogestão, criou-se a Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) que funciona como um sinaleiro que abre uma via verde a cursos com condições para funcionar e impede a passagem àqueles que não apresentam garantias mínimas de qualidade. Mas a A3ES não consegue chegar à célula principal do problema do ensino: às aulas.

Ora, sem uma aposta clara, inequívoca, contínua no ensino nunca vamos ter professores com grande dedicação às aulas, nem alunos bem preparados. Sem mestres com algum brilho, torna-se difícil formar discípulos de excelência e, consequentemente, gente apta a enfrentar o mercado de trabalho. Há, pois, que repensar todo o modelo de avaliação do Ensino Superior. E retirar as universidades de lógicas medievais que anestesiam quem por elas passa.

FELISBELA LOPES, PROF. ASSOCIADA COM AGREGAÇÃO DA UMINHO

 

Autoria e outros dados (tags, etc)