Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

Um grupo de investigadores portugueses anda pelos pinhais deste país a perseguir o insecto Leptoglossus occidentalis , também conhecido por “sugador de pinhas”. Querem saber como este percevejo de cerca de 20 milímetros, que chegou a Portugal em 2010, está danificar o valioso pinhão.

 

É no pinheiro-manso (mais precisamente dentro das suas pinhas) que está o negócio e, por isso, é esta “opção alimentar” do percevejo que preocupa produtores e indústrias e que desperta o interesse dos investigadores. Aprodução de miolo do pinhão que chegou a render mais de 100 milhões de euros por ano tem caído, apesar do aumento da área ocupada pelos pinhais. Na última década, a área de povoamento do pinheiro-manso em Portugal aumentou 54%, ocupando actualmente 174 mil hectares. Quanto ao pinhão, ao qual alguns chamam "ouro banco", este valioso produto pode custar ao consumidor cerca de 100 euros por quilo. Hoje para conseguir pouco mais que um quilo do precioso fruto são necessários os mesmos 100 quilos de pinhas que há alguns anos davam para tirar quatro quilos. Dentro das pinhas, há cada vez mais pinhões que aparecem secos, deformados… sugados.

O trabalho dos investigadores começou em 2014 e em 2015 iniciou-se o trabalho de campo, que tem duas abordagens: a recolha de pinhas por todo o país (o insecto está espalhado do Minho ao Alentejo) e a experiência que se realiza na herdade da Machoqueira do Grou (em Coruche), onde alguns ramos de pinheiro-manso foram vestidos com mangas de poliéster com o “sugador de pinhas” no seu interior. Além disso, há a observação directa em laboratório com recurso ainda a raios X e microtomografia para a caracterização dos danos causados. O trabalho conta com a participação de investigadores do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV) e do Instituto Nacional de Investigação Agronómica de França (INRA, na sigla em francês), integrando ainda um projecto mais amplo chamado Pinea.

As pinhas recolhidas têm cerca de três anos (o tempo que a pinha demora a maturar), mas Ana Farinha já percebeu que os insectos podem atacar antes disso. “Já os vimos em pinhas com menos tempo e até em flores”, refere. Aliás, apesar de ainda ser cedo para certezas, a investigadora, que está a fazer a sua tese de doutoramento com este trabalho, já detectou outras características do “sugador de pinhas”. Aparentemente, os insectos “escolhem” uma vítima para atacar, sendo possível num grande pinhal encontrá-los apenas num único pinheiro-manso. Tal como já se disse, não escolhem a idade das pinhas e, do fruto, consomem apenas o endoesperma, deixando o embrião intacto. Como se comessem só a clara e deixassem a gema de um ovo. Esta preferência levanta outro problema, uma vez que é o endoesperma que constitui a reserva da semente e que permite que esta germine na terra.

Por outro lado, o Leptoglossus occidentalis não deixa marcas visíveis. “Nas amostras que recolhi, a pinha fica um pouco torcida mas não é fácil de detectar”, refere Ana Farinha, adiantando que este é um dos aspectos a esclarecer no seu projecto que só termina em 2017. Dentro de uma mesma pinha, os produtores encontram pinhões vazios, cheios e meio-cheios. “Queixam-se de que há cada vez mais vazios na mesma pinha.” O pinhão aparece enrugado e seco. “No trabalho em laboratório colocámos os pinhões com casca numas caixas com o insecto lá dentro e fomos radiografando de dois em dois dias. E de facto ele não deixa marcas, a casca fica inalterada”, conta Ana Farinha. Com uma fina “agulha” que tem na boca, o insecto faz um invisível furo nas “escamas” da pinha e alimenta-se do miolo do pinhão mesmo com a casca já formada.

O ano de 2010 foi marcante para este negócio. Foi, lembra Alexandra Correia, também investigadora do CEF/ISA, um ano de “uma safra excepcional com valores quatro vezes acima da média”. Depois disso, a produção caiu. O início da queda do negócio do pinhão coincide com o registo da entrada do Leptoglossus occidentalis em Portugal. Mas o insecto pode não ser o único culpado pela desgraça do pinhão. O clima, outras pragas ou mesmo uma questão genética devido a um excessivo recurso a enxertos para aumentar o cultivo do pinheiro-manso e que faz com que os vários exemplares sejam todos da mesma família, “irmãos de irmãos”, e, por isso, com características semelhantes, são outras das possíveis explicações dos investigadores para os problemas dentros das pinhas. Além disso, Alexandra Correia, que estuda estes ciclos de safra e contra-safra (boas e más colheitas), lembra que depois de “um ano de safra excepcional é natural que se registe uma quebra”. Ainda assim, nota a investigadora, Portugal continua a ser o país que tem a maior produção de pinha por área.

“O insecto pode ser um factor importante mas não o único. Também pode estar a servir um pouco de bode expiatório”, diz a Ana Farinha. Aliás, segundo esta investigadora, mesmo a coincidência encontrada em 2010 pode estar errada. Num artigo científico em colaboração com INRA, Ana Farinha traça a rota da invasão do insecto na Península ibérica. “Recolhemos exemplares vivos em toda a península e fizemos uma análise molecular, com marcadores mitocondriais e microssatélites que analisam as variações em escalas mais pequenas”, explica, adiantando que Barcelona terá sido a “porta de entrada” do insecto em Espanha, não existindo nenhum local específico que determine a entrada em território português. E uma vez que a entrada em Espanha data de 2003, Ana Farinha acredita que o insecto “tenha sido detectado tardiamente” em Portugal, que só o registou sete anos depois. “Percebendo como voa e se desloca, não me parece que tenha demorado tanto tempo para chegar a Portugal”, arrisca.

E não é possível exterminá-lo?

Nada como conhecer bem o inimigo para o conseguir derrubar. É também esse o caso. Ana Farinha explica que em vários países há várias experiências para encontrar a forma mais eficaz para exterminar o “sugador de pinhas”. Na Turquia, por exemplo, estão a testar o caminho dos pesticidas. Em Itália, conta a investigadora, a estratégia está mais virada para a introdução de um parasitóide da Califórnia (local de origem do Leptoglossus occidentalis) que, neste caso, é uma pequena vespa que se alimenta dos ovos deste insecto. E isso não poderá trazer outros problemas? “Pois, não sabemos”, responde Ana Farinha. Há também quem opte por “armadilhas com feromonas”, ou seja, cheiros capazes de repelir ou atrair para um outro local estes percevejos. Ana Farinha aposta na exploração da ecologia do insecto. “Sabemos que ele hiberna durante o Inverno, temos de saber mais sobre as suas preferências de abrigo e ver se o capturamos nessa altura”, propõe. Pois é. O “sugador de pinhas” hiberna durante todo o Inverno e aparecerá nos campos dentro de alguns dias, entre o final de Abril e início de Maio.

Ana Farinha não sabe ainda se vai encontrar muitos ou poucos “sugadores de pinhas” nos pinhais este Verão. “Eles têm uma dinâmica populacional confusa. No ano passado quase não o vi. Mas não sabemos porquê. Se for uma questão de alternância, vamos ver muitos este ano”. Os investigadores não sabem se vão encontrar muitos insectos nos pinhais e os produtores também ainda não sabem os pinhões que vão encontrar. Apesar de parecer que este ano há uma boa quantidade de pinhas, só depois de abertas é que se vê se o negócio vai correr bem. As investigações são muitas vezes como um bom romance policial durante o qual se seguem pistas, procura-se um culpado e que também podem ter momentos de suspense.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A produtividade dos cientistas

por papinto, em 13.03.14

MIGUEL MOTA 

 

O que foi feito de bom pela Ciência, especialmente durante os governos do PS, não chegou para compensar a destruição dos grandes laboratórios do Estado.

 

O que foi escrito no Expresso de 8/2/2014, com o título “produtividade dos cientistas provoca polémica”, obriga a recordar alguns factos.

O que foi feito de bom pela Ciência, especialmente durante os governos do PS, não chegou para compensar a destruição dos grandes laboratórios do Estado, que já vinha de trás mas foi muito intensificada naquele período. Além de produzirem ciência internacionalmente reconhecida e citada, esses laboratórios ajudaram e muito a economia do país.

A destruição obedece a uma “lei”, não escrita mas religiosamente seguida, que não quer que exista investigação científica pública fora das universidades. Há anos que denuncio essa lei criminosa, que já causou ao país prejuízos enormes, científicos e económicos mas, como noutros casos, tem sido “bradar no deserto”. Uma universidade consegue apropriar-se de um desses laboratórios ou, então, destrói-se. Já conseguiram apropriar-se de, pelo menos, dois. Já tenho referido que, como professor universitário, me sinto insultado por tal prova de mediocridade e inveja que, repito, já causou ao país prejuízos enormes, na investigação e na economia, extinguindo o valiosoknow how que tinha sido acumulado. Não sei como os ministros dos sectores que exigem investigação científica para bem cumprirem a sua missão toleram tal sistema.

O primeiro dos grandes laboratórios foi a Estação Agronómica Nacional, criada em 1936. Para ela foi estabelecida a carreira de investigador científico, paralela da carreira docente universitária. Em 1942 apareceu a Estação de Melhoramento de Plantas, em Elvas, um laboratório mais pequeno e dedicado a uma especialidade. Dez anos depois da Estação Agronómica, foi fundado o Laboratório Nacional de Engenharia Civil, essencialmente decalcado dela mas podendo defender-se de algumas limitações impostas à Estação, a principal das quais nascer como Direcção-Geral em vez de estar subordinado a um director-geral. Outros laboratórios foram criados posteriormente, sempre dentro do mesmo modelo.

O que aqueles três laboratórios deram ao país, em termos económicos, foi certamente muitas vezes o que o Estado neles investiu. Infelizmente, apesar de eu já o ter proposto, não conheço valores dos resultados económicos da investigação produzida. Na celebração dos 25 anos da Estação de Melhoramento de Plantas, em 1967, o secretário de Estado da Agricultura disse que, para uma despesa total de escassas dezenas de milhar de contos investidos no organismo, a agricultura – e, portanto a economia – tinha recolhido, a mais, pela utilização das variedades de cereais e forragens criadas na Estação, um valor estimado em um milhão de contos. Lembro que a uva D. Maria, de bagos muito grandes e ligeiro gosto a Moscatel, é resultado da investigação realizada na Estação Agronómica.

Há anos, uma antiga ministra da Ciência lamentou-se, num jornal, dizendo que, apesar de ter aumentado o número de papers (artigos científicos), a economia nada beneficiou. Lembrei, noutro escrito, que a causa foi, precisamente, a destruição dos laboratórios.

A investigação que foi protegida (e mal...), nas universidades, talvez produza mais papers, alguns em trabalhos de curto prazo, aqueles para que se conseguiu dinheiro, num sistema de financiamento que considero profundamente errado. Tal sistema é incompatível com boa produtividade em diversos sectores, como a investigação agronómica, com frequência a exigir bastantes anos e planificação a longo prazo (mas com resultados altamente compensadores), onde há colecções a manter e rotinas a cumprir.

Como tenho longa experiência de trabalho em Portugal e noutros países (Suécia, Grã-Bretanha e Estados Unidos) posso afirmar que o trabalho em Portugal custa bem mais tempo e esforço do que naqueles países. Além de carências várias, a espantosa burocracia envolvida custa aos cientistas muito mais esforço e tempo do que naqueles países. E a correcção do sistema não exige verba.

Em 1990 publiquei o artigo “Desburocratização – um caso pontual à consideração do Senhor Ministro das Finanças”, onde propunha uma simplificação que nada custava ao Estado e muito facilitaria a vida dos cientistas. Esse artigo foi premiado com uma menção honrosa num concurso da Secretaria de Estado da Modernização Administrativa, mas nada se alterou. Preferia não receber a menção honrosa mas ver o sistema corrigido.

 

Investigador coordenador e professor catedrático, jubilado

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Academic publishers charge vast fees to access research paid for by us. Down with the knowledge monopoly racketeers

College Students Library

 

'Though academic libraries have been frantically cutting subscriptions to make ends meet, journals now consume 65% of their budgets.' Photograph: Peter M Fisher/Corbis

Who are the most ruthless capitalists in the western world? Whose monopolistic practices make Walmart look like a corner shop and Rupert Murdoch a socialist? You won't guess the answer in a month of Sundays. While there are plenty of candidates, my vote goes not to the banks, the oil companies or the health insurers, but – wait for it – to academic publishers. Theirs might sound like a fusty and insignificant sector. It is anything but. Of all corporate scams, the racket they run is most urgently in need of referral to the competition authorities.

Everyone claims to agree that people should be encouraged to understand science and other academic research. Without current knowledge, we cannot make coherent democratic decisions. But the publishers have slapped a padlock and a "keep out" sign on the gates.

You might resent Murdoch's paywall policy, in which he charges £1 for 24 hours of access to the Times and Sunday Times. But at least in that period you can read and download as many articles as you like. Reading a single article published by one of Elsevier's journals will cost you $31.50. Springer charges €34.95, Wiley-Blackwell, $42. Read 10 and you pay 10 times. And the journals retain perpetual copyright. You want to read a letter printed in 1981? That'll be $31.50.

Daniel Pudles illo

 

Illustration by Daniel Pudles

Of course, you could go into the library (if it still exists). But they too have been hit by cosmic fees. The average cost of an annual subscription to a chemistry journal is $3,792. Some journals cost $10,000 a year or more to stock. The most expensive I've seen, Elsevier's Biochimica et Biophysica Acta, is $20,930. Though academic libraries have been frantically cutting subscriptions to make ends meet, journals now consume 65% of their budgets, which means they have had to reduce the number of books they buy. Journal fees account for a significant component of universities' costs, which are being passed to their students.

Murdoch pays his journalists and editors, and his companies generate much of the content they use. But the academic publishers get their articles, their peer reviewing (vetting by other researchers) and even much of their editing for free. The material they publish was commissioned and funded not by them but by us, through government research grants and academic stipends. But to see it, we must pay again, and through the nose.

The returns are astronomical: in the past financial year, for example, Elsevier's operating profit margin was 36% (£724m on revenues of £2bn). They result from a stranglehold on the market. Elsevier, Springer and Wiley, who have bought up many of their competitors, now publish 42% of journal articles.

More importantly, universities are locked into buying their products. Academic papers are published in only one place, and they have to be read by researchers trying to keep up with their subject. Demand is inelastic and competition non-existent, because different journals can't publish the same material. In many cases the publishers oblige the libraries to buy a large package of journals, whether or not they want them all. Perhaps it's not surprising that one of the biggest crooks ever to have preyed upon the people of this country – Robert Maxwell – made much of his money through academic publishing.

The publishers claim that they have to charge these fees as a result of the costs of production and distribution, and that they add value (in Springer's words) because they "develop journal brands and maintain and improve the digital infrastructure which has revolutionised scientific communication in the past 15 years". But an analysis by Deutsche Bank reaches different conclusions. "We believe the publisher adds relatively little value to the publishing process … if the process really were as complex, costly and value-added as the publishers protest that it is, 40% margins wouldn't be available." Far from assisting the dissemination of research, the big publishers impede it, as their long turnaround times can delay the release of findings by a year or more.

What we see here is pure rentier capitalism: monopolising a public resource then charging exorbitant fees to use it. Another term for it is economic parasitism. To obtain the knowledge for which we have already paid, we must surrender our feu to the lairds of learning.

It's bad enough for academics, it's worse for the laity. I refer readers to peer-reviewed papers, on the principle that claims should be followed to their sources. The readers tell me that they can't afford to judge for themselves whether or not I have represented the research fairly. Independent researchers who try to inform themselves about important scientific issues have to fork out thousands. This is a tax on education, a stifling of the public mind. It appears to contravene the universal declaration of human rights, which says that "everyone has the right freely to … share in scientific advancement and its benefits".

Open-access publishing, despite its promise, and some excellent resources such as the Public Library of Science and the physics database arxiv.org, has failed to displace the monopolists. In 1998 the Economist, surveying the opportunities offered by electronic publishing, predicted that "the days of 40% profit margins may soon be as dead as Robert Maxwell". But in 2010 Elsevier's operating profit margins were the same (36%) as they were in 1998.

The reason is that the big publishers have rounded up the journals with the highest academic impact factors, in which publication is essential for researchers trying to secure grants and advance their careers. You can start reading open-access journals, but you can't stop reading the closed ones.

Government bodies, with a few exceptions, have failed to confront them. The National Institutes of Health in the US oblige anyone taking their grants to put their papers in an open-access archive. But Research Councils UK, whose statement on public access is a masterpiece of meaningless waffle, relies on "the assumption that publishers will maintain the spirit of their current policies". You bet they will.

In the short term, governments should refer the academic publishers to their competition watchdogs, and insist that all papers arising from publicly funded research are placed in a free public database. In the longer term, they should work with researchers to cut out the middleman altogether, creating – along the lines proposed by Björn Brembs of Berlin's Freie Universität – a single global archive of academic literature and data. Peer-review would be overseen by an independent body. It could be funded by the library budgets which are currently being diverted into the hands of privateers.

The knowledge monopoly is as unwarranted and anachronistic as the corn laws. Let's throw off these parasitic overlords and liberate the research that belongs to us.

• A fully referenced version of this article can be found on George Monbiot's website. On Twitter, @georgemonbiot

Autoria e outros dados (tags, etc)

Criada rede nacional de investigação para a biodiversidade com 300 cientistas
Público, 17.06.2011
Helena Geraldes

 

Preencher os espaços em branco sobre a natureza em Portugal e dar apoio científico às políticas públicas é o grande objectivo do InBio, rede que reúne 300 investigadores de 20 nacionalidades e um dos novos Laboratórios Associados do Estado.

O lobo ibérico poderá vir a ser um dos primeiros a beneficiar do InBio - Rede de Investigação em Biodiversidade e Biologia Evolutiva que, durante oito anos, foi apenas uma ideia e que este ano recebeu luz verde do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior como novo Laboratório Associado. A estratégia de conservação do lobo, espécie classificada Em Perigo de acordo com o Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal, precisa de “uma revisão” e de “informação mais consistente”, avançou ao PÚBLICO Tito Rosa, presidente do Instituto de Conservação da Natureza e da Biodiversidade (ICNB), organismo estatal que, a 23 de Janeiro, assinou um protocolo de cooperação com os investigadores.

“Cada vez temos menos capacidade para produzir conhecimento, na luta do dia-a-dia para o cumprimento da regulamentação”, comentou o responsável, acrescentando que esta parceria é uma “mais-valia e uma forma de garantir uma intervenção mais correcta, conhecendo melhor os problemas”.

O InBio promove o trabalho em conjunto dos 300 investigadores, 110 dos quais doutorados, do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO) da Universidade do Porto – instituição que apresentou a candidatura – e do Centro de Ecologia Aplicada Professor Baeta Neves, do Instituto Superior de Agronomia (ISA). A estrutura está aberta à participação de outras instituições.

“O nosso grande objectivo é auxiliar o Estado na política pública da biodiversidade, através daquilo que fazemos de melhor em Portugal a nível de investigação”, comentou Nuno Ferrand de Almeida, director do CIBIO.

Para Francisco Rego, coordenador do Centro de Ecologia Aplicada, trata-se de “capitalizar todo o investimento em Ciência que se fez nos últimos 20 anos e que ainda não está suficientemente utilizado”. E, segundo Ferrand de Almeida, “as equipas [de investigadores] estão muito motivadas”.

Entre os primeiros passos desta rede está a participação na revisão da Estratégia Nacional de Conservação da Natureza e na elaboração de pareceres técnicos-científicos, a partilha de dados para reforçar o conhecimento sobre espécies e habitats, bem como acções de formação e a troca de experiências entre funcionários do ICNB e investigadores do InBio, através de um programa de Residências.

Para já, o InBio vai apostar na promoção da investigação da biodiversidade tropical, no estudo da evolução das espécies na Península Ibérica ao longo dos últimos 20 mil anos e na promoção dos recursos genéticos dos animais e plantas domésticos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

DG101105026_OrgGeralensinoagricola

Autoria e outros dados (tags, etc)

The economist | Feb 11th 2011, 11:50 by N.V. | LOS ANGELES

FOR decades, your correspondent has watched, with more than casual interest, every new twist and turn in the quest for an “artificial leaf”. His hope has been that industry might one day replicate the photosynthetic process used by plants, and thus create forests of artificial trees for making hydrocarbon fuel direct from sunlight. Apart from helping offset the emission of carbon dioxide caused by burning fossil fuels, such man-made leaves could provide an endlessly supply of energy for transport. Finally, it seems, something is stirring in the forest.

In his recent State of the Union address, President Obama drew special attention to the $122m research programme on artificial photosynthesis that is underway in laboratories across California. “They’re developing a way to turn sunlight and water into fuel for our cars,” said the 44th president. He might have added that the Joint Centre for Artificial Photosynthesis (JCAP), involving some 200 scientists and engineers from universities and research laboratories around the state, was seeking to make liquid hydrocarbons not from solar-powered electrolysis, biomass, micro-organisms or other round-about routes, but direct from sunlight—just as the chlorophyll in a leaf does.

Sunlight is the world’s largest source of carbon-neutral power. In one hour, more energy from the sun strikes the Earth than all the energy consumed by humans in a year. Yet, solar energy, in the form of sustainable biomass, provides less than 1.5% of humanity’s energy needs. Meanwhile, solar panels contribute a mere 0.1% of electricity consumption.

The problem is that the sun does not shine all the time. Night intervenes. So do clouds. If people are to rely on the sun for more of their energy, then a reliable form of storage is required. And the best way to store solar energy is to convert it into chemical fuel. That is what nature has been doing for millions of years.

Unfortunately, artificial photosynthesis is still in its infancy. Researchers reckon that, at least in the laboratory, they can make fuel direct from sunlight far more efficiently than can the fastest-growing plants. But no-one can yet do so at a cost that would make the process economic. Nor can they make it robust enough to work continuously, year in and year out, under the full glare of the sun. And they are years away from integrating the various steps—from capturing the sunlight in the first place to producing the finished fuel—into working prototypes, let alone commercial-sized factories capable of producing something resembling petrol.

Nevertheless, chlorophyll—the stuff of life—is as good a place as any to start. This large organic molecule has a magnesium ion at its core, surrounded by a ring of porphyrin. In nature, porphyrins are a group of organic pigments that give plants, corals and even animal skins their colours. One of the most common porphyrins is heme, the pigment in red blood cells. The porphyrin in chlorophyll absorbs strongly in the red and blue-violet parts of the visible spectrum, but not in the green. By reflecting such wavelengths, chlorophyll gives plants their colour.  

It would be better, of course, if chlorophyll could absorb light across the whole of the visible spectrum. But plants take what they have been given. As such, chlorophyll’s job is to absorb all the energy it can from sunlight, and use it to transform carbon dioxide from the atmosphere and water from the soil into carbohydrates and oxygen. The energy stored this way is what makes it possible for practically all living things to survive and thrive.

What makes chlorophyll so good at capturing sunlight is the way its ring-like structure can lose and gain electrons easily. When a leaf absorbs photons from sunlight, electrons in the chlorophyll molecules get excited from lower energy states into higher ones, allowing them to migrate to other molecules. That forms the starting point for chains of electron transfers that end with electrons being "donated" to molecules of carbon dioxide. Meanwhile, the chlorophyll molecules that gave up electrons in the first place accept electrons from elsewhere. These form the end points of transfer processes that start with the removal of electrons from water.


In this way, chlorophyll acts as a catalyst that drives the oxidation-reduction reaction between carbon dioxide and water to produce carbohydrates and oxygen. In the pursuit of the artificial leaf, then, the main task is to find catalysts that can mimic the intricate dance of electron transfers that chlorophyll makes possible.

The JCAP programme, led by the California Institute of Technology in Pasadena in partnership with the Lawrence Berkeley National Laboratory near San Francisco, will run for five years. The goal is to demonstrate a working solar-fuel generator that uses no biological components and no pricy catalysts (like platinum), yet can produce hydrocarbon fuel from the sun ten times more efficiently than maize (corn), sugar cane, switch grass or any other fast-growing crop.

To do so, the JCAP team will need to perfect a host of different components—including light absorbers and catalysts, molecular linkers to couple the two together, and special membranes for selectively separating the oxygen and hydrogen produced during the process. Two different catalysts are required: one to split water into hydrogen and oxygen; another to convert carbon dioxide and hydrogen into hydrocarbons. The various components for doing this will then need to be engineered into a practical bench-top system for demonstrating not only that solar fuel can be made efficiently and economically, but also that the process can be scaled up for commercial application.

At present, the JCAP team uses a carpet-like structure of microfibres made of a silicon-based semiconductor similar to those employed in photovoltaic solar panels. But instead of generating electricity, the charge-carriers produced by the semiconductor drive the catalytic process for splitting water into hydrogen and oxygen. Special membranes vent the oxygen away, while collecting the hydrogen. Later, other catalysts will be used to convert carbon dioxide and hydrogen into basic fuels such as methane and methanol. Long-term, the goal is to make "drop-in" replacements for petrol, or even diesel.

Before that can happen, however, cheap catalysts will have to be found. Platinum is excellent for splitting water into storable hydrogen and oxygen, but it is far too expensive to use on a commercial scale. A more practical substitute has been developed at the Massachusetts Institute of Technology, where Daniel Nocera and his colleagues have perfected cheap and durable catalysts based on cobalt and phosphate, and, more recently, on nickel and borate.

Last year, Sun Catalytix, a Massachusetts-based company founded by Dr Nocera, was awarded a $4m contract by the Department of Energy to commercialise the process. The company aims to develop solar-fuel stations for places that are off the electricity grid, and eventually for the home. Meanwhile, the JCAP team in California is working on its own light absorbers and catalysts. So far, it has released few details—though it admits it needs to develop cheaper versions of what it is currently using.

But the dark horse in the race to develop a synthetic chlorophyll could be a small group at Massey University in New Zealand. Wayne Campbell, at the university’s Nanomaterials Research Centre, has come up with a series of porphyrin dyes that work with solar cells based on titanium dioxide rather than silicon. In the laboratory, Dr Campbell’s cells are said to generate electricity for a tenth the price of conventional photovoltaic panels.

There is talk of incorporating them into roofing materials and tinted windows. But if Dr Campbell’s porphyrin dyes are as efficient as claimed, they could prove to be better catalysts for producing solar fuel for motor cars, as well as electricity for homes. Your correspondent is gratified to see that artificial leaves are sprouting everywhere—and promising to make the world a greener place.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Science331_152

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Comissão Europeia adoptou ontem medidas para tornar a participação no actual Sétimo Programa-Quadro de Investigação da UE mais atractiva e mais acessível para os melhores investigadores e as empresas mais inovadoras, especialmente as pequenas e médias empresas (PME). Com base no plano de simplificação apresentado pela Comissão em Abril de 2010, estas medidas produzem efeitos imediatos.

A Comissária responsável pela Investigação, Inovação e Ciência, Máire Geoghegan-Quinn, declarou: «As actuais medidas permitirão aos muitos milhares de pessoas de nível excelente que financiamos poupar tempo e esforços na apresentação de papelada e dedicar-se ao que fazem melhor, ou seja, trabalhar no sentido de impulsionar o crescimento e a criação de empregos e melhorar a qualidade de vida na Europa, através de inovação e investigação de craveira mundial. Queremos atrair ainda mais e melhores candidatos, incluindo pequenas empresas dinâmicas que não conseguem lidar com resmas de papelada administrativa. Isto é apenas o início: a Comissão já propôs grandes mudanças nas regras financeiras gerais aplicáveis a todos os programas de financiamento da UE e, se o Parlamento e o Conselho chegarem a acordo sobre esta matéria, apresentaremos medidas de simplificação mais radicais para o programa que se sucederá ao 7.º PQ.»

Três medidas concretas
A Comissão adoptou três medidas concretas com efeito imediato sobre a gestão das subvenções da UE destinadas à investigação no âmbito do actual programa de investigação da UE (7.° PQ). Cada uma destas medidas responde a preocupações repetidamente expressas pelos participantes e potenciais candidatos ao 7.° PQ:

Permitir uma maior flexibilidade na forma como os custos de pessoal são calculados a fim de que os beneficiários de subvenções da UE no domínio da investigação possam aplicar os seus métodos contabilísticos habituais ao solicitar o reembolso de custos médios de pessoal. Deixará de ser necessário criar sistemas de contabilidade completos paralelos apenas para este fim;
Os proprietários de PME cujos salários não estejam formalmente registados nas suas contas podem agora ser reembolsados, através de pagamentos a uma taxa fixa, pela sua contribuição em projectos de investigação.
Um novo grupo de direcção composto por altos funcionários de todos os serviços da Comissão e agências envolvidas eliminarão as inconsistências na aplicação das regras relativas ao financiamento da investigação.
Passos seguintes
A Comissão considera a simplificação um dos princípios básicos na concepção do próximo programa de investigação e inovação da UE e continuará a insistir no sentido da introdução de melhorias substantivas. Até ao final do presente ano, a Comissão apresentará as suas propostas legislativas para o próximo programa de investigação e inovação da UE, na sequência de uma consulta pública que será lançada no início da Primavera.

Contexto
O actual programa de investigação da UE, o 7.º PQ, atraiu mais de 40 000 propostas da comunidade de investigação desde 2007, tendo até à data sido financiados perto de 8 000 projectos. Quase todas as universidades europeias têm participado e cerca de 15% dos participantes são PME.

Já foram tomadas várias medidas concretas para simplificar os procedimentos, tanto antes como após o início do lançamento do 7.° PQ.

Em Abril de 2010, a Comissão adoptou uma comunicação em que apresenta outras opções de simplificação aplicáveis ao quadro jurídico em vigor e, a mais longo prazo, a uma eventual revisão do Regulamento Financeiro da UE (ver IP/10/472 e MEMO/10/156). A presente comunicação desencadeou um amplo debate entre as instituições da UE e com muitos outras partes interessadas no domínio da investigação e inovação. Neste contexto, é igualmente conveniente recordar que a proposta da Comissão relativa à revisão do Regulamento Financeiro proporciona formas de simplificação ainda a aplicar ao 7.º PQ, como por exemplo a abolição das contas bancárias remuneradas, e propõe medidas que estabelecerão as bases para uma simplificação mais radical do próximo programa-quadro. Cabe agora ao Conselho e ao Parlamento Europeu adoptar essas medidas.

As medidas adoptadas na presente Decisão da Comissão baseiam-se num amplo consenso verificado neste debate e estão também em consonância com as recomendações do Grupo de Peritos que procede à avaliação intercalar do 7.° PQ (IP/10/1525)

Fonte:  CE

Autoria e outros dados (tags, etc)

Público, 2010.04.28 Teresa Lago

Globalmente, Portugal envolveu menos de 2% das candidaturas e pouco mais de 1% das bolsas: 6 das 536


O European Research Council (ERC) concluiu quatro ciclos de bolsas de investigação: dois para jovens investigadores, com bolsas (Starting Grants) destinadas a apoiar o início de uma carreira de investigação independente, ou a consolidar a primeira equipa, e outros dois ciclos para investigadores consagrados (Advanced Grants). Criado apenas em Fevereiro de 2007, o ERC já atribuiu mais de um milhar de bolsas.

Estes três anos de actividade intensa deixaram marcas decisivas no panorama da investigação fundamental na Europa. Nomeadamente:

- A definição e execução de um ambicioso programa anual, capaz de aprender e aperfeiçoar-se com a sua própria experiência, em diálogo aberto com a comunidade científica. As práticas foram sendo ajustadas e a estratégia refinada, ano após ano.

- A criação de uma estrutura operacional, ligeira e eficiente, para implementar as decisões do Conselho Científico (o órgão independente de governação do ERC) e fazer a gestão corrente do programa IDEIAS. À estrutura provisória seguiu-se, em Setembro passado, a Agência Executiva Autónoma (ERCEA). Esta estrutura operacional distingue-se pela alta qualidade dos seus recursos humanos - uma percentagem significativa com doutoramento e experiência de investigação científica - e pela eficiência de funcionamento, com um gasto global inferior a 3,5% do orçamento do ERC.

- A introdução de um sistema de avaliação exemplar, em termos de estrutura e transparência de procedimentos; o Guia de avaliadores e a composição dos Painéis de Avaliação são públicos (http://erc.europa.eu/). Exemplar também na adopção de regras estritas de Conflito de Interesses, uma condição essencial em qualquer processo de avaliação.

- A opção pela clara separação de poderes e responsabilidades: o Conselho Científico é responsável pela estratégia científica, pela estrutura de avaliação e selecção dos avaliadores, pela comunicação com a comunidade científica e pela supervisão do funcionamento operacional. Mas não se imiscui na avaliação. Esta, cabe aos 25 painéis de carácter transversal e interdisciplinar, compostos por investigadores e académicos de mérito reconhecido, europeus e não só, apoiados por um número elevado de avaliadores externos, e cobrindo as Ciências Sociais e Humanidades, Ciências da Vida, Ciências Físicas e Engenharias - para o ERC qualquer área de conhecimento é igualmente relevante. Aos painéis cabe a avaliação do mérito científico das propostas e também a decisão do financiamento a atribuir. Embora seja do Conselho Científico a responsabilidade última pela avaliação.

A inovação introduzida pelo ERC, em termos de estratégia, avaliação e apoio à investigação fundamental na Europa, tem sido acompanhada com atenção pelos países que mais apostam na investigação e conhecimento, que não lhe têm poupado elogios - os Estados Unidos, Japão, Coreia do Sul, entre outros.

E qual o impacto do ERC na própria Europa?

Tem sido enorme, embora dependente do país, e até mesmo da instituição. Acolher bolseiros ERC é considerado sinal de grande prestígio. Há organizações prestigiadas que valorizam a escolha das suas instituições por bolseiros ERC e tomam iniciativas para os atrair, por exemplo, com a oferta de lugares nos seus quadros. Há fundações privadas que se comprometem a apoiar a continuidade dessas carreiras após a bolsa ERC. As estruturas nacionais responsáveis pela avaliação e financiamento da investigação decidiram, em diversos países, financiar os candidatos (nacionais) avaliados positivamente mas não contemplados com bolsa por esgotamento do orçamento do ERC.

O impacto parece ser maior nos países com maior tradição de investigação científica, e onde ela está melhor organizada e é mais bem financiada. Com destaque para Israel, Suíça, Alemanha, Suécia, Holanda, Reino Unido. Embora haja outros casos notáveis: a Catalunha tem tido mais sucesso do que o (total) remanescente de Espanha - não será difícil ver aqui a correlação com a autêntica revolução catalã na reorganização da ciência e investigação, há pouco mais de uma década.

E qual o impacto do ERC entre nós?

Globalmente, Portugal envolveu menos de 2% das candidaturas e pouco mais de 1% das bolsas: 6 das 536 Starting Grants atribuídas. Nas Advanced Grants, cerca de 0,7% das bolsas atribuídas envolviam Portugal: 2 no total das 511. São números pequenos e, por isso, traiçoeiras as análises. Mas o número de candidaturas envolvendo Portugal tem vindo a decrescer significativamente, o que é preocupante. Apesar de a candidatura ser simples, transparente o processo e tentador o "prémio": a Starting Grant ronda 1 milhão de euros, podendo atingir 1,5 milhões, uma Advanced Grant chega aos 3,5 milhões de euros, em ambos os casos para um período de 5 anos. A que acrescem ainda 20% de overheads para a instituição de acolhimento. O contrato é exemplar quando comparado aos contratos comunitários tipo, há liberdade de gestão - o investigador responsável pode ir adaptando o projecto à medida que ele se desenrola - e, acima de tudo, a bolsa é portátil, seguindo o bolseiro se ele decidir mudar de instituição para vantagem do seu projecto.

Por que não há mais candidaturas envolvendo o nosso país? Por que há falta de financiamento nacional para a investigação? A comunidade científica nacional não cessa de reclamar (justamente!) por mais investimento - cerca de 1% do Produto Interno Bruto para orçamento da ciência não se adequa à média ou à ambição europeia.

Por temor da competição alargada? A taxa de sucesso das bolsas ERC, chocantemente baixa (3%) no primeiro concurso, resultou de uma autêntica (e inesperada!) avalancha de propostas (9167 em vez das expectáveis 3000!), mas recuperou em 2008, e atingiu 15% em 2009. Uma vez que o ERC visa apoiar a excelência em investigação fundamental, em todos os domínios, 15% de sucesso é certamente uma taxa adequada.

De qualquer modo, o baixo número de candidaturas nacionais, e o ainda mais baixo número de bolsas conseguidas, surpreende face aos resultados da última avaliação (2007) das Unidades de Investigação em Portugal (Fundação para a Ciência e Tecnologia): 21% foram classificadas "Excelente" e 38% "Muito Bom".

Que se passa com a excelência da investigação científica em Portugal? Membro do Conselho Científico do ERC

Autoria e outros dados (tags, etc)

Público, 2010.04.28 Andrea Cunha Freitas

Novos institutos e programas estão a mudar a ciência. Os cientistas estão a aproveitar as oportunidades


Quando alguém está a fazer um doutoramento "lá fora" há uma pergunta que acaba sempre por surgir: "E vai voltar para Portugal?" Independentemente da resposta, os investigadores portugueses têm hoje mais hipóteses de regressar e ficar. Há uma nova realidade favorável a quem quer trabalhar na ciência em Portugal. Há mais institutos, acordos, programas e parcerias. A próxima questão é se, depois de atrair os investigadores, vamos conseguir mantê-los por cá.

Este mês, o ministro da Ciência e Tecnologia e Ensino Superior, Mariano Gago, gabou-se de governar uma área exemplar do país. Primeiro, num debate com investigadores portugueses radicados nos Estados Unidos defendeu que o país tem evitado de forma "exemplar" a "fuga de cérebros", ao mesmo tempo que se tornou importador de cientistas. "Portugal é o caso mais exemplar no pós-guerra, talvez o único, de grande desenvolvimento científico sem brain drain [fuga de cérebros], ou com pouquíssimo", disse Mariano Gago. "O número de pessoas da ciência fora de Portugal é insignificante." Porém, o ministro não referiu nem os números "insignificantes" nem os "exemplares". Um dia depois, em Paris, num seminário da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Económicos (OCDE), Gago insistia: Portugal "é visto como o exemplo a seguir".

Os desafios em aberto

O PÚBLICO pediu ao Ministério da Ciência números que permitissem concluir até que ponto temos evitado a "fuga de cérebros". Na resposta, entre outros dados, o ministério referia que, desde 1994 até 2008, a Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) concedeu mais de 4500 bolsas de formação avançada no estrangeiro (incluindo bolsas de doutoramento e pós-doutoramento) e ainda mais de 4000 bolsas de doutoramento mistas, que implicam períodos de formação e de investigação em Portugal e no estrangeiro.

E quantos voltaram? "Os dados disponíveis de inquéritos a ex-bolseiros da FCT mostram que a esmagadora maioria desses ex-bolseiros desenvolve actividades em Portugal", refere apenas o ministério.

Assim, na ausência de números oficiais que mostrem de forma clara a relação entre os investigadores que saíram e os que voltaram, há sinais importantes. Vamos a exemplos. No Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC), em Oeiras, entre 1998 e 2010, dos 14 grupos de investigação (com líderes portugueses) que deixaram o ICG, 13 permaneceram em Portugal a fazer investigação. Na Fundação Champalimaud, os dados denúnciam a tendência do "querer ficar", com cada vez mais doutorados a permanecer em Portugal no final do projecto. "Estamos a ficar com falta de espaço", diz o norte-americano Zachary Mainen, coordenador do programa de neurociências da Champalimaud. No programa Fraunhofer Portugal, há 17 investigadores a trabalhar, todos portugueses. No Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia há lugar para as melhores 300 candidaturas e no primeiro parque português de biotecnologia, o Biocant (Cantanhede), há 150 investigadores e apenas cinco são estrangeiros.

Entre alguns dos responsáveis pela investigação que se faz em Portugal há consensos. Todos saúdam o salto no desenvolvimento da ciência no país e dizem que temos investigação de topo por cá. Um reflexo desse avanço é, por exemplo, o facto de muitos dos doutoramentos já se realizarem em Portugal. Por outro lado, reconhecem o papel determinante das bolsas da FCT. A ligação com a indústria é importante para fixar recursos qualificados, mas Portugal ainda está muito atrasado neste domínio. Pois, nem tudo são rosas. Exemplos? António Coutinho, do IGC, refere o financiamento irregular e a necessidade de fazer "uma poda" capaz de eliminar a investigação de má qualidade que tem sido apoiada em Portugal. O director do ICG também toca na ferida dos direitos dos bolseiros: "Se eu mandasse alguma coisa, a primeira coisa que eu mudaria era inseri-los na sociedade activa. É o mais urgente." Há ainda o problema do dinheiro quando comparamos um contrato de 100 mil euros por ano com a FCT com um acordo de um milhão e meio ou dois milhões de euros por três anos celebrado com o European Research Council. Porém, o responsável do centro lembra que liderou o primeiro programa doutoral no país (uma parceria com a FCT entre 1993 e 2000), que envolveu 101 pessoas e conclui: "Já voltaram 70." Por fim, sublinha: "Mas, mais do que se são portugueses ou não, interessa-nos que sejam bons e tenham o espírito de construir alguma coisa."

Boaventura Sousa Santos, director do Centro de Estudos Sociais, propõe transformar "as bolsas de pós-doutoramento em contratos junto das instituições" para estancar a fuga de cérebros. "Tenho tido vários colaboradores que, após vários anos de bolsas, acabam por concorrer, e ganhar, como reconhecimento da sua qualidade, posições em instituições de excelência no estrangeiro", nota. A FLAD, por seu lado, não está preocupada com a fuga de cérebros. "É bom termos gente a fazer ciência lá fora e que continuem a colaborar com as instituições em Portugal. O programa de bolsas que lançámos agora não é mais do que um incentivo a que isso aconteça mais", explica Paulo Zagalo e Melo, director da FLAD para Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação.

Além dos institutos, há novas portas de entrada, como os laboratórios associados e as parcerias do Governo com o Instituto de Tecnologia do Massachusetts (MIT) e acordos com as universidades de Carnegie Mellon, Harvard e Austin. Porém, para quem fica fora destes "oásis" por vezes a única solução ainda é a fuga lá para fora. Rui Costa, um "cérebro" português que voltou recentemente, alerta: "Sim, estamos a conseguir atrair os investigadores. Mas será que os vamos manter?"

 Com Maria João Lopes e Teresa Firmino

 


Ciência em números

 


115

O Centro de Estudos Sociais tem 115 investigadores, a maioria ligada à Universidade de Coimbra. Vinte são investigadores doutorados em full time, 12 dos quais estrangeiros

70%

Dos spin-offs do sistema científico nacional em 2005-2009 70% dedicaram-se a áreas de alta intensidade tecnológica

4500

As bolsas concedidas entre 1994 e 2008 pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) ascenderam a 4500

150

Entre 150 investigadores da Biocant, apenas cinco são estrangeiros

Autoria e outros dados (tags, etc)