Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




As regiões vinícolas mais próximas do mar vão beneficiar do aquecimento global e melhorar a qualidade dos vinhos, prevêem especialistas envolvidos na primeira avaliação feita em Portugal sobre o impacto das alterações climáticas na viticultura.

Mas os efeitos não serão só positivos e a água será essencial para minimizar os problemas, alerta Carlos Lopes, um dos responsáveis do projecto SIAMVITI, que arrancou no início deste mês e estará concluído dentro de três anos.

"Sendo uma cultura perene, a vinha sofre efeitos cumulativos e já se começam a notar problemas que exigem medidas de adaptação. Decidimos avançar com este trabalho porque a viticultura é um sector importante e estratégico para o país e não há nenhum estudo que permita fazer esta avaliação", acrescenta o professor do Instituto Superior de Agronomia (ISA).

"Temos vindo a verificar situações de stress hídrico (falta de água) e térmico (excesso de calor), sobretudo nas regiões a Sul do Tejo, que se acentuaram nos últimos dez a vinte anos", explicou o académico.

O aquecimento das folhas e dos cachos, com repercussões no crescimento da planta e na qualidade das uvas e do vinho, e a antecipação da vindima devido ao desenvolvimento precoce da cultura, são algumas das consequências.

"Se calhar, em vez de se fazer a vindima em Setembro passa-se para Agosto", frisa Lopes.

As mudanças vão ser sentidas também no vinho.

Com a maturação precoce, "há uma acumulação rápida de açúcares e redução da acidez". Resultado: vinhos desequilibrados (ou "chatos" no jargão dos enólogos), com grau alcoólico mais elevado, menor acidez e alterações na cor e nos aromas.

Mas o aquecimento global traz também benefícios: "as regiões de influência atlântica, mais próximas do mar, beneficiam destas alterações climáticas, permitindo obter uvas mais maduras".

Regiões onde antes existia "alguma dificuldade em amadurecer as uvas tintas", como Lisboa e a Bairrada, são das que podem sair mais beneficiadas, melhorando a qualidade dos vinhos.

"Se tivéssemos água suficiente para atenuar os problemas nas regiões mais quentes, o balanço [do impacto das alterações climáticas] seria quase positivo", admitiu o especialista do ISA.

Sistemas de irrigação mais eficientes são uma das estratégias possíveis para atenuar as consequências negativas das alterações climáticas, explicou o pesquisador do Centro de Botânica Aplicada à Agricultura do ISA, Ricardo Braga, que será responsável pela simulação do efeito das condições ambientais no desenvolvimento, crescimento e qualidade das uvas produzidas.

O SIAMVITI prevê a elaboração de cenários climáticos para o final do século 21 e "estratégias para auxiliar os viticultores a ficarem mais protegidos em relação às alterações climáticas", adiantou o mesmo especialista.

A selecção de castas mais resistentes ao calor e migração do "terroir" (região de produção vinícola) para o litoral, norte e zonas de maior altitude, são outras possibilidades que os pesquisadores vão avaliar neste projecto.

O SIAMVITI é um projecto financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia e está a ser desenvolvido pelo Instituto Superior de Agronomia (ISA) com o apoio de outras entidades, como a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Fonte:  Lusa, 22 Novembro de 2009 (in AgroPortal)


Apontadores relacionados:

Sítios

 

Autoria e outros dados (tags, etc)