Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Power-To-Save-The-World-1920x2560

“Manmade climate change.” We’ve all heard the catchphrase before (well, at least until politicians realized that “global warming” could easily be falsified by uncooperative temperature data).

But wouldn’t “climate change” whether man was here or not? Do government bureaucrats who can’t even run Amtrak or the Post Office actually think they can control the weather like a thermostat?

Why should the U.S. further reduce its “carbon emissions” when the rest of the planet, oblivious regimes run by central planners in Russia and China, are happily emitting away?

Most importantly, why should American taxpayers spend billions, if not trillions, of dollars fighting a quixotic crusade to keep the planet’s climate from changing?

Man’s activities play but a small part in the global scope of things, and 25 graphs show that to be the case.

1. Carbon Dioxide Levels Were Previously Much Higher & Yet Life Survived

#1 CO2EarthHistory

 

Temperatures rise and fall in the long historical picture regardless of CO2 levels. In fact, CO2 levels are fairly low right now compared to life-flourishing eras.

2. Modern History Shows Similar Temps in Medieval Warm Period

 

sy-weathercc4d58285a

Forget the “hockey stick” graph the IPCC whipped out to stoke fears of a global apocalypse; such warming is not unprecedented.

3. More About the Medieval Warm Period

global_mean_temperature_last-2000_yearsBefore the Industrial Revolution took hold, there was a period of warming that allowed the Vikings to more easily explore the North Atlantic and settle Greenland. Other historical studies, some based on tree-ring data, suggest asimilar period of warming in Roman times.

4. Graph from 1990 IPCC contrasted with 2001 IPCC Report

Comparison-charts

 

The 1990 figure 7c that was subsequently “disappeared” from succeeding IPCC reports followed by the infamous “hockey stick.”

5. Carbon Dioxide’s Contribution to “Thermal Forcing” (Also Dubbed the “Greenhouse Effect”)

image269

Mankind has about zero control over the volume of atmospheric water vapor, which is about 90% to 95% (varies by location) of what is commonly referred to as the “greenhouse effect.”

6. Mankind’s Production of Carbon Dioxide by Burning Fossil Fuels is a Little Over 3% by Volume

CO2

Since man has only produced somewhat over 3% of atmospheric carbon dioxide, that means man is responsible for a little over 0.28% of the “greenhouse effect,” when one accounts for water vapor. That’s based on Department of Energy figures.

7. The Decreasing Effect of Adding More Carbon Dioxide to the Atmosphere

heating_effect_of_co2

 

Adding more carbon dioxide to the atmosphere does not lead to a linear effect on “thermal forcing,” but a logarithmic one. That means the more CO2 is added, the less of a “warming” effect it has.

8. Forecasts (Including from the U.N.) Do Not Match the Recent Temperature Record

17yr_santer_graph

9. Five Major Temp. Datasets Show No Statistically Significant Warming for 17 Years

5-data-set-no-warming

10. Greenland Ice Core Samples Show Major Fluctuations in Temperatures

6a010536b58035970c016301233ed2970d

11. Hurricanes Per Decade On the Decline

6a010536b58035970c0120a54df6a7970c

12. Last Year’s Hurricane Reporting from the U.S. was One of the Lowest on Record

Hurricane-Season-vs.-Average

13. Deadliest Atlantic Hurricanes in Historical Perspective

deadliest

Of course, early warning systems improve survivability, but do not mitigate monetary damage from hurricanes (which is obviously up, due to factors like economic development on coastal shorelines).

14. Deadliest Pacific Hurricanes in Historical Perspective

epdeadliest

Again, no trend in fatalities from hurricanes.

15. Hurricane Landfalls in the Longer View

pielke2009.landfall

No trend in hurricane landfalls; 1887 was one of the most frequent on record.

16. One of the Lowest Tornado Counts on Record: 2013

BcXhCsiCAAA1Zxo.png-large

17. One of the Lowest Readings for 100 Degree Temperature Days: 2013

screenhunter_393-jan-12-01-31

 

2013 isn’t shown on this chart, but it continues the trend: A decrease of 40%since the 1930s, as Steven Goddard pointed out.

18. Snowfall is Showing a Slight Increase Since 1967

screenhunter_178-mar-28-07-38

19. Tropical Storms Down to Mid-1970s Levels

global_running_ace.jpg

Global Tropical Accumulated Cyclone Energy (ACE) is fluctuating as usual – in defiance of predictions from the “the consensus.”

20. Recent Forest Fire Counts

fires
Forest fires show almost no recent trend; although they recently tend to do more damage per acre. Changes to forestry practices may be a contributing factor to why forest fires spread more uncontrollably.

21. NASA Satellite Shows Arctic Ice Growth

MoS2 Template Master

It’s important not to monitor Arctic and Antarctic ice levels by taking a snapshot at one moment and forgetting all historical precendent; witness Arctic ice growth year-on-year in August 2013.

22. Arctic Ice Continues to Grow (as of February 2014)

autumn_sea-ice_thickness_from_cryosat_2010_2013

In February 2014, Cryo-satellite images showed Arctic ice volume continued to grow into October 2013.

23. Fatalities Due to Natural Disasters Has Plummed 98% Since the 1920s

1

A study by the Reason Foundation in 2011 found that deaths due to natural disasters have plummeted by 98% since the 1920s. Whether it’s from early warning systems or better adaptation to climate (central heating and cooling, e.g.), this stat shows no trend that Nature is threatening humanity’s very survival.

24. Despite Having the World’s Biggest Economy, the U.S. is Not the World’s Leading CO2-Emitter

emissionbycountry2006gi

25. U.S. is One of the Few Global Economic Powerhouses to Actually Cut CO2 Emissions

chart2

If anything, these charts show that we will have to continue adapting to Nature, just like life on this planet has always had to do.

If that means less pollution – like economically free societies have – then let’s talk about that. If it means better economic development, like impoverished nations in Asia and Africa need, so be it.

But what the demands of adapting to Nature don’t demand is authoritarian control over energy and industry by central governments. Because if anything, the examples of history and the modern day (see Russia, China, et al.) show that this way of looking at things is “on the wrong side of history.”

As President Obama begins his unconstitutional push to deprive Americans of more money and economic freedom in the vain crusade of “saving the planet,” and Prince Charles flips his hole cards by explicitly tying “global warming” to anti-capitalist economy, people should ask themselves: just howdo these governments plan to stop the climate from changing?

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Agricultura e a Integração Europeia

por papinto, em 10.05.14

SEVINATE PINTO Público 10/05/2014 - 18:05

 

Ao longo dos 37 anos que já passaram, desde que o assunto da CEE nos entrou diariamente em casa (9 de negociações e 28 de integração), tenho-me questionado muitas vezes, tal como certamente tem acontecido a muitos agricultores, sobre como estaria a nossa agricultura, se não tivesse sido a nossa integração na CEE, em 1986.

Outra questão, próxima mas não igual à anterior, sobre a qual reflito há muitos anos, é a do impacto que tem tido a Politica Agrícola Comum (PAC) sobre a nossa agricultura.

Quanto à primeira questão, nem eu, nem ninguém, conseguirá responder. O máximo que se pode fazer é especular, com base naquilo que era a nossa agricultura antes da adesão. Uma agricultura que os mais novos não conheceram e que alguns dos mais velhos têm tendência a memorizar de forma idealizada.

Tenho obrigação de a ter conhecido razoavelmente bem, quer pela minha idade e origens, quer porque, à época, tinha responsabilidades de chefia no Gabinete de Planeamento do Ministério da Agricultura. Nessa qualidade, participei ativamente nas negociações para a adesão e num exaustivo “exame sectorial” que ultrapassou em rigor e atualidade o que as estatísticas da época registavam, normalmente, com cinco anos de atraso.

Portugal tinha, de facto, com raríssimas exceções, uma agricultura estagnada, várias décadas atrasada relativamente ao resto da Europa comunitária. Protegida do exterior e muito pouco competitiva, com gravíssimas condicionantes estruturais, fundiárias, empresariais e organizacionais, arrastava-se, sem expectativa de futuro. O enquadramento administrativo era frágil e tecnicamente impreparado, o ensino e a investigação tinham parado no tempo. O enquadramento económico era estatizante, altamente burocrático, servido por um complexo sistema de preços, aos produtos agrícolas e aos fatores de produção, bem como de subsídios ao consumo, controlados por uma rede de Organismos Públicos de Coordenação Económica que também mantinham exclusivos comerciais, incluindo de comércio externo (nos cereais, azeite e oleaginosas, produtos pecuários, vinho, frutas e hortícolas).

Era uma agricultura, ainda largamente camponesa, com centenas de milhares de agricultores pobres, vivendo miseravelmente, com poucas explorações/empresas de média e grande dimensão, raramente modernas e tecnicamente desenvolvidas, muitas das quais ainda feridas por uma reforma agrária recente que as tinha desorganizado e, em muitos casos, destruído.

Quando negociámos a adesão, por várias vezes sentimos que os nossos interlocutores tinham dificuldade em acreditar na descrição que lhes era feita. Portugal tinha, sobretudo na fase final da negociação, preços agrícolas substancialmente mais elevados do que os dos países da comunidade[1] e produtividades físicas, em alguns casos, inferiores a um terço da média Comunitária.

Voltando à questão sobre o que teria acontecido sem a integração na CEE, na minha opinião, ou Portugal se mantinha fechado, isolado do mundo, com uma agricultura medieval, sobrevivendo artificialmente, em função de meios públicos que seriam cada vez mais raros, ou nos abríamos ao mundo, sem condições que nos permitissem manter altos níveis de apoio público e a nossa agricultura não resistiria a uma confrontação direta no mercado mundial, transformando-se, rapidamente numa reminiscência estatística. Os portugueses pagariam muito caro por essas alternativas.

Quanto à segunda questão, a da avaliação do impacto da nossa adesão, muita coisa tem sido dita, muitas vezes sem a mínima relação com a realidade.

A verdade é que Portugal resistiu e tem desenvolvido o sector agrícola, agro-industrial e florestal, que está, globalmente, mais forte, mais apoiado, mais moderno e competitivo. Chegou-se, aliás, ao ponto do segmento agro-industrial, o mais apoiado pelas ajudas ao investimento, ser hoje o mais importante da indústria transformadora.  

Nada disso teria acontecido sem o apoio europeu, que há 28 anos nos paga a 100% os subsídios agrícolas ao rendimento (cerca de 580 milhões de Euros/ano) e sem os 7 sucessivos programas plurianuais de apoio ao Desenvolvimento Rural (cerca de 600 milhões de Euros/ano), que nos têm assegurado o imprescindível apoio à renovação e modernização das nossas infra-estruturas e do nosso aparelho produtivo.

Sem o apoio da PAC, não teria sido possível chegar aos dias de hoje com mais de 80% de auto-suficiência alimentar (em valor)[2] e exportar mais de 4200 milhões de euros em produtos alimentares de base agrícola e 3800 milhões de euros em produtos florestais, o que, em conjunto, representa 16,8% das nossa exportações. Também não nos seria possível instalar cerca de 250 novos jovens agricultores por mês.

De facto, posso não conhecer tudo o que se passa na nossa agricultura, mas não conheço nenhuma adega, nem nenhum lagar de azeite com alguma importância que não tenha sido feito com um fortíssimo apoio financeiro da PAC.

Também não conheço nenhum matadouro, indústria de leite e lacticínios, estação fruteira, estufa, barragem, olival, vinha ou pomar moderno, secador, armazém, estradas rurais, sistemas de rega, de eletrificação, turismo rural, instalações de associações, povoamentos florestais, instalações agro-industriais, fábricas de cortiça e todo o tipo de infra-estruturas, que tenha sido feito sem o forte apoio da UE.

Não conheço igualmente ações de proteção do ambiente e de preservação da biodiversidade, que não sejam financiadas pela UE e pela PAC

Pode-se dizer que tudo é bom na PAC? Que não há injustiças e iniquidades? Que não há sectores e agricultores em má situação?

Claro que não! Contudo, mesmo no que se refere à política de preços e mercados - a componente que é mais contestada - é preciso não esquecer que o que está em causa não é a PAC mas o modo de funcionamento dos mercados mundiais e da globalização, que é normalmente defendido exatamente por aqueles que mais criticam a PAC por ela apoiar o rendimento dos agricultores.

Considerar-se a PAC como a grande responsável por aquilo que se diz ser o “descalabro da agricultura portuguesa”, o que está longe de ser uma realidade, não deixa de ser uma patetice sem nenhum fundamento, dito por ingenuidade, ou por falta de informação, mas que, infelizmente, vemos frequentemente repetido na comunicação social.

 

[1] O que não era o caso, bem pelo contrário, quando, em 1977, pedimos a adesão

 

[2] Ver DESTAQUE do INE de 2 de Abril de 2013 sobre “Abastecimento Alimentar em Portugal”

 

Ver “Autossuficiência Alimentar: Mitos e Realidades” - Comunicação do Prof. Francisco Avillez no Ciclo de Conferências: O futuro da alimentação - ambiente, saúde e economia, da Fundação Calouste Gulbenkian, em Junho de 2012.

Autoria e outros dados (tags, etc)






subscrever feeds