Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




http://www.sciencedaily.com/releases/2011/02/110222122351.htm

ScienceDaily (Feb. 22, 2011) — People who want to eat healthy and live sustainably have a new way to measure their impact on the environment: a Web-based tool that calculates an individual's "nitrogen footprint." The device was created by University of Virginia environmental scientist James N. Galloway; Allison Leach, a staff research assistant at U.Va.; and colleagues from the Netherlands and the University of Maryland.

The calculator is a project of the International Nitrogen Initiative, a global network of scientists who share research and data on the nitrogen dilemma. The project was announced Feb. 19 at the annual meeting of the American Association for the Advancement of Science in Washington.

What's the nitrogen dilemma? Though some residents of the Chesapeake Bay and Gulf of Mexico likely are familiar with it, it's unknown to most Americans outside the agricultural world. For the last 30 years, Galloway and other leading scientists have been noting fish kills in coastal areas, threats to human health as a result of air and water pollution, and changes to global biodiversity and climate. This tool is one of their attempts to foster more understanding of nitrogen's role in our lives.

"Nitrogen, as any farmer knows, is essential to plant life," said Galloway, associate dean for the sciences in the College of Arts and Sciences at U.Va. and the Sidman P. Poole Professor of Environmental Sciences. "But the widespread use of synthetic nitrogen fertilizer to boost crop production has resulted in excess nitrogen coming off farms -- essentially adding unwanted, unneeded fertilizer to our natural systems, with disastrous results. The combustion of fossil fuels adds even more nitrogen to our environment. It's a largely untold story."

Scientists are calling nitrogen pollution a major environmental problem that includes significant damage to air and water quality in places such as the Chesapeake Bay, where the federal government has dedicated hundreds of millions of dollars to reducing nitrogen runoff from farms and industry. Similarly, nitrogen runoff from Midwestern farms that ultimately flows into the Gulf of Mexico is largely responsible for toxic algal blooms that have suffocated coastal waters, leading to hypoxic zones, resulting in the loss of fish and shellfish.

To raise awareness, Galloway, a pioneering nitrogen scientist, organized a global team of experts to develop the footprint calculator as an educational tool -- one he and his colleagues hope will both raise the profile of the nitrogen issue and galvanize people into action. By measuring what and how much you eat, as well as other factors like how you travel, the calculator shows your impact on the nitrogen cycle.

The website also makes recommendations for how to lessen your "nitrogen footprint." They are similar to other sustainable living choices: reduce airplane travel, choose renewable energy and eat less meat, particularly beef (since cattle consume massive quantities of farmed feed, which requires much fertilizer). Professors and lecturers are already using the tool in classrooms to teach students how one individual can alter -- and help restore -- a natural nitrogen cycle.

"Solving the nitrogen dilemma is a major challenge of our time," Leach said. "By calculating our individual impact, and taking small steps to reduce it, we can all play a part -- and send a strong message to our nation's leaders that we want this issue taken seriously."

This new footprint calculator is the first in a series of research tools, known as N-Print, which Galloway and his team are developing to connect the production of nitrogen with the policies used to manage it. The team is currently creating a similar calculator for farmers and other nitrogen users, as well as a tool for policymakers that will provide regional nitrogen emission ceilings, which will show how much nitrogen can be released in these regions without major negative environmental impact.

"There are readily available solutions to reducing nitrogen pollution," Galloway said. "By connecting consumers, producers and policymakers, we can solve it."

Chemical fertilizer use and combustion engines are the main sources of nitrogen pollution. Scientists who are recording dramatic changes to ecosystems from the U.S. to China say the disruption of the naturally occurring cycle of nitrogen through ecosystems due to human activity leads the list of global tipping points and have named it a top threat to global biodiversity. It contributes to human health problems, water pollution, ozone layer depletion, smog, climate change and coastal dead zones. Nitrous oxide, created mostly from grain and meat production, is also a greenhouse gas 300 times more potent than carbon dioxide.

This project is supported by the Agouron Institute, the U.S. Environmental Protection Agency, U.Va., and the Energy Research Center of the Netherlands.

Personal N Footprint calculator.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

A Special Report on Feeding the World

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alimentos para fugir à monotonia

por papinto, em 26.02.11
O Sol 26 de Fevereiro, 2011Por Maria Francisca Seabra

 

Usada no séc. XIX, a cherovia perdeu importância. Mas é uma boa alternativa ao feijão verde cozido

Foi no Alto da Ajuda, em Lisboa, que Fortunato da Câmara aprendeu a lidar com «o tomate, os pimentos e as ervas aromáticas», que o pai cultivava num pedaço de terreno ao lado de um «bonito jardim».

Confessa ao SOL que a habilidade para saber onde deveria cair a semente na terra não era o seu «forte». Mas que ao comer os produtos biológicos que colhia com o irmão nasceu uma paixão pelo sabor da cozinha, que explora até hoje.

Alimentos, ao Sabor da História (Colares Editora) é o resultado de anos de trabalho em torno dos legumes, dos frutos e das plantas. O livro revela como os alimentos fizeram o seu percurso no tempo até ao lugar que ocupam hoje em casa ou no restaurante. E destaca alguns tipicamente portugueses ou que a História fez com que ficassem ligados à cultura nacional. Como é o caso do ruibarbo.

Segundo Fortunato, os portugueses foram os primeiros a comercializar este fruto, depois da descoberta do caminho marítimo para a Índia. «Mas infelizmente não há rasto do ruibarbo em Portugal». Pelo contrário, nos Estados Unidos, fazem-se sobremesas com esta espécie de aipo vermelho.

Outro exemplo é a cherovia, importante alimento da zona da Covilhã, no séc. XIX, e que hoje está afastada dos pratos, apesar de o gastrónomo reconhecer nela um grande potencial. «Dá--se bem nos solos gelados da Beira Interior e deveria ser um produto mais explorado, para evitar importarmos tantos legumes», salienta.

É esta cenoura branca, com a textura de um nabo, sabor ligeiro e aroma a avelã, que Fortunato redescobriu nas suas pesquisas pelas bibliotecas, à procura de histórias para o seu livro. Aconselha a cozinhá-la tal qual o marmelo - porque é adstringente quando crua, mas doce depois de reduzida a puré.

Fortunato da Câmara realça também a importância da salicórnia. Esta erva salgada, que nasce na Figueira da Foz ou em Alcácer do Sal, serve para acompanhar peixes. «A salicórnia tem também a particularidade de, a partir da sua cinza, ser possível extrair um composto para o fabrico de sabão ou vidro», explica.

Aconselha a usá-la numa receita de risoto para acompanhar costeletas de borrego grelhadas. Esta é uma das muitas sugestões de Alimentos, ao Sabor da História: «Brincadeiras que faço para os amigos, que considero as cobaias das minhas experiências».

Na verdade, o gastrónomo já transformou essas experiências em pratos que confecciona com frequência. Se há lição que aprendeu ao escrever este livro foi a de que «variar torna a alimentação muito mais interessante».

Por isso, recomenda «fugir da monotonia» do feijão verde e da cenoura cozidos. E também «da praga das batatas fritas e do arroz branco que acompanham 90% das refeições nos restaurantes».

francisca.seabra@sol.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

 http://photography.nationalgeographic.com/photography/photo-of-the-day

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Jornal do Algarve, 26 de Feverero de 2011

http://www.jornaldoalgarve.pt/

 

 

Produção da campanha 2010/11 atingiu as 70 mil toneladas e o país caminha para a autosuficiência.

A produção nacional de azeite cifrou-se na campanha 2010/2011 nas 70 mil toneladas, o dobro do que se produzia em 2006, devendo o país alcançar a autosustentação dentro de 4 a 5 anos, anunciou hoje a Casa do Azeite (CA).

Em declarações à agência Lusa, Mariana Matos, vice presidente da CA, afirmou que, “se a questão da qualidade nunca se colocou, a questão da produção em quantidade está ultrapassada”, tendo acrescentado que Portugal deverá alcançar a autosustentação em 2015/2016, um valor que se cifra nas 100 mil toneladas.

Segundo disse aquela responsável, Portugal é hoje o quinto maior produtor mundial de azeite tendo acrescentado que o volume de exportações “cresceu de forma sustentada”, 22,5 por cento ao ano, desde 2006 até 2011.

“Invertemos o paradigma das exportações de menor qualidade e o crescimento qualitativo é sustentado com a exportação de azeite virgem extra, que acrescenta volume e valor, para países como os EUA, Brasil, Venezuela, Angola e Coreia do Sul”, apontou.

Negócio de €310 milhões

Mariana Matos disse ainda que o volume de negócios atingiu em 2010 um volume global de 310 milhões de euros, dos quais 130 ME advêm diretamente da exportação de azeite.

“Em 2006 Portugal exportava 20 mil toneladas de azeite e hoje, cinco anos depois, exportamos 44,5 mil toneladas, 62 por cento das quais para o Brasil”, referiu aquela responsável.

Para a CA, “promover, valorizar e estimular” o consumo interno é o grande desafio que hoje se apresenta no plano interno, tendo em conta que Portugal apresenta consumos per capita “muito abaixo” dos restantes países mediterrânicos.

“Os portugueses consomem hoje 6 a 7 quilos de azeite por ano, metade do consumo per capita dos espanhóis”, disse Mariana Matos, tendo observado que o consumo português “está estagnado devido a problemas estruturais”.

Valorizar a fileira do azeite

Tendo considerado “importante” a realização do I Congresso Ibérico do Azeite, que vai decorrer em Abrantes, para “discutir ideias, analisar o mercado e equilibrar procedimentos” com os produtores espanhóis, Mariana Matos apelou à “imaginação” para valorizar a fileira.

“É preciso promover e valorizar todos os elos da cadeia de produção do azeite, desde o modernizar da imagem, ao integrar na alimentação, é preciso mais investigação e avanços tecnológicos no produto, chegar mais longe nos mercados internacionais e desenvolver um trabalho mais coordenado de promoção do azeite”, defendeu.

“Todos os elos da cadeia de valor devem ser postos em evidência, seja no âmbito da cosmética, dos bio- combustíveis, aproveitamento para biomassa, folhas para chás, indústria farmacêutica, pondo em evidência os benefícios do azeite seja para a pele seja para uma alimentação saudável”, vincou.

Com o objetivo de mobilizar produtores e olivicultores e estabelecer parcerias que contribuam para a valorização do azeite no espaço luso-espanhol, a cidade de Abrantes vai acolher, entre sexta feira e domingo, o I Congresso Ibérico do Azeite.

JA/Rede Expresso

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

http://www.sciencedaily.com/releases/2011/02/110224201859.htm

ScienceDaily (Feb. 24, 2011)The Svalbard Global Seed Vault (SGSV) celebrated its third anniversary February 24 with the arrival of seeds for rare lima beans, blight-resistant cantaloupe, and progenitors of antioxidant-rich red tomatoes from Peru and the Galapagos Islands. The arrival of these collections, including many drought- and flood-resistant varieties, comes at a time when natural and human-made risks to agriculture have reinforced the critical need to secure all the world's food crop varieties.

The seeds arriving for safekeeping in the depths of an Arctic Mountain on Norway's remote Svalbard Archipelago included major deposits from genebanks maintained by the Consultative Group on International Agricultural Research (CGIAR), which is the largest single contributor of seeds to the Seed Vault.

Among the shipments is a Peruvian desert lima bean variety on the verge of extinction that was rescued by the Colombia-based International Center for Tropical Agriculture (CIAT), as well as other lima beans and relatives that grow in very dry or high-altitude locations. In total, CIAT's new shipments include 3,600 bean and forage samples collected from 94 countries, including Afghanistan, Nepal, Yemen, Vietnam and Zimbabwe.

Thousands of other cereal and bean varieties are being deposited by the International Center for Agricultural Research in the Dry Areas (ICARDA). The International Livestock Research Institute (ILRI) in Addis Ababa, Ethiopia is depositing forage crops. In Arizona, a Navajo ceremony was held to bless seeds of rare desert legumes from the University of Arizona before they began their long journey to Svalbard.

The new accessions, which will be added to the more than 600,000 already stored at Svalbard, include Agricultural Research Service-US Department of Agriculture (USDA) donations of soybeans collected by USDA researchers in China in the 1920s.

The USDA's shipment also includes seed collections of Solanum chilense and Solanum galapagense, wild relatives of the tomato whose genetic material was used by breeders at USDA and the University of California, Davis, to create tomatoes high in lycopene (an antioxidant) and beta-carotene (a source of Vitamin A). Other US shipments included seeds for important disease-resistant varieties of spinach, maize and cantaloupe.

"The optimism generated by the arrival of this incredible bumper crop of contributions is tempered by the threats that seem to emerge almost daily to seed collections around the world," said Cary Fowler, Executive Director of the Global Crop Diversity Trust, which manages the Seed Vault in partnership with the Norwegian government and the Nordic Genetic Resources Center in Sweden. "As the threats to agriculture escalate, the importance of crop diversity grows."

A vivid example of some of the threats facing genebanks is when unrest in Egypt led to the looting of the Egyptian Desert Gene Bank in North Sinai. At the Desert Gene Bank, home to a prized collection of fruit and medicinal plants, looters stole equipment, destroyed the facility's cooling system, and ruined data that represented more than a decade worth of research. Meanwhile, the Global Crop Diversity Trust continues to fight plans to bulldoze the field collections at Russia's Pavlovsk Experimental Station, Europe's most important collection of fruits and berries, to make way for a housing development.

The Norwegian vault's third anniversary also brings reminders of natural threats to crop diversity and the food security it maintains.

Dr. Tony Gregson, a grain farmer from Victoria's Wimmera region, which has been alternately baked and flooded recently, accompanied Australia's first contribution to the seed vault, which has travelled further than any other seeds that have come to Svalbard.

Gregson, who sits on the board of the Crawford Fund, which supports international agriculture research, noted that virtually all Australian food crops come from outside the country. Coupled with the country's recent bouts of extreme weather, this makes Australia's farmers particularly sensitive to the importance of global crop diversity.

"Australian farmers have recently had to deal with both droughts and floods. This is not only terribly difficult for farming communities, but also affects food prices worldwide -- harsh reminders of the need to find crop varieties that will help adapt to these changing conditions," Gregson said.

While crop diversity is critical to adapting agriculture to climate change, it is also at risk of being lost due to rapid changes in climate and farm environments. For example, in February, the Trust announced a partnership with potato farmers in Peru to duplicate and deposit in the Seed Vault seeds from 1,500 varieties of potatoes still found in the Peruvian Andes, where some varieties are threatened by climate change. To keep pace with rapid changes in the global climate, the Global Crop Diversity Trust is also moving to collect wild relatives of domesticated drops. With the support of a US$50 million grant from the government of Norway, the Trust is participating in a global search to locate and conserve wild relatives of wheat, rice, bean, potato, barley, lentils, chickpea, and other essential food crops that could contain valuable genetic traits.

Cary Fowler commented, "As we celebrate the third anniversary of this remarkable Vault, it is thrilling to see yet another fantastically diverse shipment of seeds arrive. The scale of the challenges facing agriculture can be overwhelming, yet the knowledge that over 600,000 samples are now guaranteed to be safe and available to help farmers gives me great hope for our common future."

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fusão de universidades em Lisboa ?"é inevitável"

Por Andreia Sanches

Reeleito por unanimidade, Ramôa Ribeiro diz estar disponível para se sentar à mesa com outros reitores e falar de fusões


 

Lamenta que em Portugal não existam rankings que comparem universidades. E vai nomear um pró-reitor só para tratar deste tema. Acredita que o país precisa de mais diplomados. Mas que há cursos a mais. Fernando Manuel Ramôa Ribeiro, de 65 anos, reeleito por unanimidade reitor da Universidade Técnica de Lisboa (UTL), onde estudam mais de 22 mil alunos, toma hoje posse.

Defende a fusão dos Serviços de Acção Social (SAS) das universidades de Lisboa. Porquê?

Actualmente estão totalmente separados. Penso que todos ganharíamos se houvesse poupança de meios.

E é possível ir mais longe, para além da fusão dos SAS? Actualmente existem quatro instituições universitárias públicas na capital [sem contar com a Universidade Aberta].

É verdade que, hoje em dia, e sobretudo em termos dos rankings, a massa crítica, o número de alunos e a excelência são os critérios fundamentais. Em Lyon, a ministra francesa fundiu tudo - eles tinham quatro faculdades de Medicina, por exemplo; fundiram em duas [a Universidade de Lyon tem hoje 120 mil alunos]. Nós queremos ficar bem situados nos rankings europeus, mas quando começarmos a aparecer com 20 e tal mil alunos, logo aí temos uma grande desvantagem em relação a instituições europeias maiores...

No futuro, estou disponível para falar sobre este assunto. A UTL tem uma gestão muito diferente da que existe noutras universidades. Noutras, o poder está muito mais concentrado no reitor; no caso da UTL, até porque muitas das suas faculdades são mais antigas do que a própria universidade, estas têm uma grande autonomia que não querem perder - e eu também não me sinto mal nesta posição. Tenho poderes suficientes para exercer a minha magistratura de influência em relação ao que acho importante e estes últimos quatro anos foram muito proveitosos. A minha eleição por unanimidade deu-me imensa satisfação porque demonstrou a coesão que existe. E que não existia.

Sente da parte dos outros reitores a mesma disponibilidade para falar de fusões?

O reitor da Universidade de Lisboa (UL) tem-na manifestado publicamente... Com os outros reitores não tenho falado.

Mas é inevitável que acabe por acontecer?

É inevitável se se preservar a autonomia das universidades, com o seu próprio modelo de gestão. Seria importante associar também todos os centros de investigação de Lisboa. Mas é naturalmente um processo longo. Estas fusões em França demoraram oito, nove anos a acontecer, porque há uma grande resistência das universidades.

Dou um exemplo: a UL não tem cursos de Economia nem de Gestão. Nós temos o Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), que é a escola mais antiga nesta área... Mas a UL tem Direito. E nós não temos Direito. Já temos dito que era importante ter maior mobilidade de docentes de Direito para a nossa universidade e docentes de Economia e Gestão para a faculdade de Direito. Isso são coisas de que já estamos a tratar. E já há vários doutoramentos conjuntos, que têm sido um sucesso.

Em Portugal é preciso racionalizar o sistema de ensino superior. Há universidades a mais, politécnicos a mais, licenciaturas a mais, mestrados a mais. A agência da avaliação e acreditação do ensino superior (A3ES) tem feito um bom trabalho, mas não pode tomar decisões políticas.

Nos EUA, pelo menos até há algum tempo, para que uma universidade fosse criada tinha que ter dois milhões de pessoas à volta. Em Portugal se essa regra existisse... [no país existem 15 universidades públicas].

Há condições para começar já esse debate das fusões?

Vamos aguardar algum tempo e talvez dentro de seis meses possamos começar a discutir.

Significa transformar as instituições universitárias que existem em Lisboa numa só?

Ou não. Em França tem-se feito uma coisa: ter uma instituição chapéu, um reitor, ou um presidente da universidade, sendo que as universidades mantêm alguma da sua autonomia. Do ponto de vista externo aparece "Universidade de Lyon" - e houve fusões de faculdades, juntaram-se os centros de investigação, porque não se pode fazer investigação separada do ensino. Portanto, a ideia pode ser essa: haver um presidente único, em que as universidades de Lisboa possam numa fase inicial manter a sua autonomia, e ter uma "Universidade de Lisboa" ou "Técnica de Lisboa" - o nome, depois, será certamente motivo de discussão porque todos quererão manter o seu nome.

Isso significa acabar com cursos. Por exemplo: em vez de haver um curso de Ciências da Comunicação na Universidade Nova e outro na Técnica, passaria a haver um só.

Sim, por exemplo.

Serão precisos menos professores.

Poderia implicar a redução do número de professores, mas se os alunos aumentarem, não haverá grande redução. Em relação aos professores, há um assunto que neste momento acho muito mais complicado, que é a renovação do corpo docente. A idade média dos docentes na UTL é 50 anos. Penso que em Outubro será possível haver alguma renovação, porque 50 catedráticos associados vão aposentar-se. E, portanto, vai-se libertar alguma verba para contratar professores auxiliares. É urgente contratar. Ainda por cima, temos jovens doutorados no estrangeiro de grande qualidade e não nos podemos dar ao luxo de perder os nossos melhores. Os grandes saltos dão-se com pessoas geniais e não podemos perder os nossos génios que estão no estrangeiro. É preciso sangue novo.

Constitucionalmente não é possível mandar fechar um curso que não tem empregabilidade. Devia ser possível?

Acho que sim. Na UTL temos valores de empregabilidade muito bons, o que significa que os nossos diplomas são muito valiosos - dados de 2006 a 2008 mostraram que os diplomados têm emprego assegurado no 1.º ano em 95 por cento dos casos. Mas há instituições com cursos de empregabilidade muito baixa.

Fala muito de rankings, mas em Portugal não há rankings de universidades.

Falo muito de rankings ao contrário de alguns dos meus colegas.

Em Inglaterra existe um ranking feito todos os anos e nenhuma instituição acha mal que de um ano para o outro passe do 1.º lugar para o 4.º...

Quem pode fazer o ranking cá?

A própria A3ES pode ter esse papel. Vai ter muita informação sobre os centros de investigação, os cursos, as licenciaturas que são más. Não sei se o professor Alberto Amaral [o presidente da agência] se quer meter nisso, mas a A3ES é um organismo que todos consideramos isento.

Quem tem medo dos rankings é quem tem pouca qualidade?

Não queria ser tão forte nessa afirmação. Vai haver um ranking europeu, que está a ser preparado pela Comissão Europeia, e nós temos que entrar. As instituições que não apanharem o comboio ficarão afastadas da participação nos grandes projectos comunitários. É minha intenção nomear um pró-reitor para os rankings que terá entre outras funções a de estudar os rankings internacionais, estar atento, perceber por que é que por vezes não aparecemos...

O processo de Bolonha [que levou à reorganização do superior em torno de princípios comuns na Europa] baixou a qualidade do ensino?

Pelo menos na UTL penso que não. Agora, aquilo que se previa... cada aluno ter o seu tutor, muito mais trabalho em casa, muito menos aulas... se formos ver o número de aulas é muito semelhante ao que era dado anteriormente. Onde houve grandes avanços foi na mobilidade dos estudantes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

 Agro-Portal, 2011-02-24

A área cultivada com culturas geneticamente modificadas aumentou 10,5% em relação a 2009. A agrobiotecnologia é já hoje utilizada em 10% do total dos solos agrícolas do planeta, o equivalente à área do território dos Estados Unidos da América.


[Gráfico - Área global de culturas transgénicas entre 1996 e 2010]

De 1996 até hoje a área utilizada aumentou de 1.7 milhões de hectares em 1996 para 148 milhões de hectares, o que demonstra que esta foi a tecnologia agrícola mais rapidamente adoptada da história da agricultura moderna, reflectindo a importância da sua utilização para os 15.4 milhões de agricultores (93,5 % dos quais são pequenos agricultores de países em desenvolvimento) em 29 países (19 dos quais sendo países em desenvolvimento).

O cultivo de plantas transgénicas iniciou-se há 15 anos e os benefícios da utilização da engenharia genética de plantas tem-se tornado cada vez mais visíveis desde 1996, sobretudo se as vantagens forem observadas através dos resultados dos pequenos agricultores em todo o mundo, principalmente os que se encontram nos países em desenvolvimento.

Na Europa a utilização de culturas geneticamente modificadas (GM) realizou-se apenas em oito países. Seis deles cultivaram milho Bt, três cultivaram batata Amflora e um país cultivou ambas as culturas. Depois de 13 anos de espera a União Europeia aprovou finalmente a utilização de uma segunda cultura transgénica, a batata Amflora. Segundo Pedro Fevereiro, presidente do CiB – Centro de Informação de Biotecnologia, “o enorme atraso da aprovação de culturas GM na Europa impede a competitividade dos agricultores europeus face aos agricultores dos países exportadores aos quais a Europa compra variedades de culturas essenciais aos seus cidadãos e que poderiam ser produzidas pelos próprios agricultores da Europa. Com a sua postura de recusa de utilização desta tecnologia a União Europeia promove também o aumento do custo da alimentação”.

A utilização de plantas transgénicas tem uma contribuição fundamental para a sustentabilidade da agricultura ao nível global, nomeadamente em relação aos seguintes aspectos:

Aumento da segurança alimentar ao nível da auto-suficiência, aumento da qualidade dos alimentos, aumento da produtividade e aumento dos benefícios económicos para os agricultores e para os países onde se cultivam plantas geneticamente modificadas;

Mais conservação dos solos, redução da utilização de combustíveis fósseis, redução da emissão de dióxido de carbono para a atmosfera, redução na utilização de pesticidas, gestão mais eficiente de água, o que significa uma enorme redução da pegada ambiental da agricultura e em consequência a protecção da água, da biodiversidade e dos ecossistemas globais;

Redução dos gases com efeito de estufa e mitigação das alterações climáticas.

Pedro Fevereiro declara ainda que “estes dados, divulgados pelo ISAAA – International Service for the Acquisition of Agri-biotech Applications, demonstram o enorme sucesso da adopção destas culturas. O aumento médio anual de 10,5% do solo arável cultivado com variedades GM permite aos agricultores em todo o mundo, em particular os pequenos e médios agricultores, melhorarem a eficiência da sua actividade e aumentarem os seus lucros reduzindo em simultâneo os impactos ambientais. É impensável que a Europa e Portugal continuem a prejudicar os produtores nacionais, impedindo-os de ter acesso a esta ferramenta agrícola”.

Os dados apresentados foram publicados no relatório anual sobre avaliação global da comercialização de culturas geneticamente modificadas em 2010 e divulgados pelo ISAAA e têm como base os seguintes documentos:

Global Status of Commercialized Biotech/GM Crops: 2010
http://www.isaaa.org/resources/publications/briefs/42/executivesummary/default.asp

ISAAA Brief 42-2010: Press Release
http://www.isaaa.org/resources/publications/briefs/42/pressrelease/default.asp

ISAAA Brief 42-2010: Highlights of "Global Status of Commercialized Biotech/GM Crops: 2010"
http://www.isaaa.org/resources/publications/briefs/42/highlights/default.asp

ISAAA Brief 42-2010: Slides & Tables
http://www.isaaa.org/resources/publications/briefs/42/pptslides/default.asp

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

 

Feb 23rd 2011, 14:57 by The Economist online

Growth areas

 

THE world's farmers planted148m hectares of genetically modified crops in 29 countries last year, according to the International Service for the Acquisition of Agri-biotech Applications, an industry body. America is by far the biggest GM farmer, with 66.8m hectares under cultivation, 2.8m more than in 2009. As can be seen in our map, GM techn

ology has been enthusiastically embraced in the Americas and in many Asian countries. By contrast, many European countries are subject to severe restrictions on growing GM crops. Developing countries are planting GM crops at a more rapid rate than rich countries. Brazil has added some 10m hectares

since 2008 and overtook Argentina as the second-biggest grower in 2010. India, too, increased its area by over 10% last year. The most popular crop is soya, while the most common modification is tolerance to herbicides.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Transitioning to Organic Farming

por papinto, em 23.02.11

http://www.sciencedaily.com/releases/2011/02/110222140548.htm

ScienceDaily (Feb. 23, 2011) — As the organic food trend continues to grow; more farmers are converting from conventional agriculture to organic production. One of the fastest growing markets in the U.S. is the production of organic milk. The growth of this industry has prompted many farmers to transition their land to organic feed grain production. With transition on the rise, it is necessary for these farmers to have effective and economical organic management practices.

A research team led by scientists from Penn State University and University of New Hampshire conducted a four-year study examining the impact of reduced-tillage and cover crops managed for hay and forage production on the agronomic and economic performance of feed grain production.

Two cropping system experiments were carried out in central Pennsylvania from 2003 to 2007. For the first year both plots rotated between a cover crop, corn and soybeans; one plot was managed with full tillage and the other with reduced tillage. Changes in weed populations, crop yields, and economic returns over the three year rotation were monitored by the research team.

From a weed management perspective, the results indicate that utilizing reduced tillage for organic production could present a challenge for some farmers. Weed populations were less responsive to the choice in cover crop than to the reduction in tillage. Weed populations dramatically increased in reduced tillage systems.

"This is a troubling result because the weed populations that increased included perennial species such as Canada thistle and bindweed which are very difficult to control without tillage once they become established. In a way, these perennial weeds can actually act as 'management drivers,' forcing organic growers to have to periodically utilize more intensive tillage practices to reduce their populations," says Richard Smith, University of New Hampshire.

The study also suggests that growers who want to transition to organic production while minimizing tillage may experience variable economic success depending on how they begin their rotation. Costs associated with manure and compost, which was purchased off-farm, also strongly influenced the economics of the systems. The authors conclude that integrated systems that include field crop and dairy production, where manure sources are available on-site or locally, would improve the economics of these systems. While tillage did not have a significant effect on cumulative net returns in either experiment, there did appear to be a trend for higher returns in the rotations that utilized full-tillage.

According to Smith, further research will be necessary to determine the most cost-effective approaches to reducing tillage in transitional and organic production systems. Research is ongoing at Penn State University.

The full study can be found in the January/February 2011 issue of Agronomy Journal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/3







subscrever feeds