Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O Jardim Botânico da Ajuda

por papinto, em 28.08.10
jardimbotanicodajuda

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Brasilian agriculture

por papinto, em 26.08.10
The miracle of the cerrado

Brazil has revolutionised its own farms. Can it do the same for others?

Aug 26th 2010 | CREMAQ, PIAUÍ

IN A remote corner of Bahia state, in north-eastern Brazil, a vast new farm is springing out of the dry bush. Thirty years ago eucalyptus and pine were planted in this part of the cerrado (Brazil’s savannah). Native shrubs later reclaimed some of it. Now every field tells the story of a transformation. Some have been cut to a litter of tree stumps and scrub; on others, charcoal-makers have moved in to reduce the rootballs to fuel; next, other fields have been levelled and prepared with lime and fertiliser; and some have already been turned into white oceans of cotton. Next season this farm at Jatobá will plant and harvest cotton, soyabeans and maize on 24,000 hectares, 200 times the size of an average farm in Iowa. It will transform a poverty-stricken part of Brazil’s backlands.

Three hundred miles north, in the state of Piauí, the transformation is already complete. Three years ago the Cremaq farm was a failed experiment in growing cashews. Its barns were falling down and the scrub was reasserting its grip. Now the farm—which, like Jatobá, is owned by BrasilAgro, a company that buys and modernises neglected fields—uses radio transmitters to keep track of the weather; runs SAP software; employs 300 people under a gaúcho from southern Brazil; has 200km (124 miles) of new roads criss-crossing the fields; and, at harvest time, resounds to the thunder of lorries which, day and night, carry maize and soya to distant ports. That all this is happening in Piauí—the Timbuktu of Brazil, a remote, somewhat lawless area where the nearest health clinic is half a day’s journey away and most people live off state welfare payments—is nothing short of miraculous.

These two farms on the frontier of Brazilian farming are microcosms of a national change with global implications. In less than 30 years Brazil has turned itself from a food importer into one of the world’s great breadbaskets (see chart 1). It is the first country to have caught up with the traditional “big five” grain exporters (America, Canada, Australia, Argentina and the European Union). It is also the first tropical food-giant; the big five are all temperate producers.

The increase in Brazil’s farm production has been stunning. Between 1996 and 2006 the total value of the country’s crops rose from 23 billion reais ($23 billion) to 108 billion reais, or 365%. Brazil increased its beef exports tenfold in a decade, overtaking Australia as the world’s largest exporter. It has the world’s largest cattle herd after India’s. It is also the world’s largest exporter of poultry, sugar cane and ethanol (see chart 2). Since 1990 its soyabean output has risen from barely 15m tonnes to over 60m. Brazil accounts for about a third of world soyabean exports, second only to America. In 1994 Brazil’s soyabean exports were one-seventh of America’s; now they are six-sevenths. Moreover, Brazil supplies a quarter of the world’s soyabean trade on just 6% of the country’s arable land.

No less astonishingly, Brazil has done all this without much government subsidy. According to the Organisation for Economic Co-operation and Development (OECD), state support accounted for 5.7% of total farm income in Brazil during 2005-07. That compares with 12% in America, 26% for the OECD average and 29% in the European Union. And Brazil has done it without deforesting the Amazon (though that has happened for other reasons). The great expansion of farmland has taken place 1,000km from the jungle.

How did the country manage this astonishing transformation? The answer to that matters not only to Brazil but also to the rest of the world.


An attractive Brazilian model

Between now and 2050 the world’s population will rise from 7 billion to 9 billion. Its income is likely to rise by more than that and the total urban population will roughly double, changing diets as well as overall demand because city dwellers tend to eat more meat. The UN’s Food and Agriculture Organisation (FAO) reckons grain output will have to rise by around half but meat output will have to double by 2050. This will be hard to achieve because, in the past decade, the growth in agricultural yields has stalled and water has become a greater constraint. By one estimate, only 40% of the increase in world grain output now comes from rises in yields and 60% comes from taking more land under cultivation. In the 1960s just a quarter came from more land and three-quarters came from higher yields.

So if you were asked to describe the sort of food producer that will matter most in the next 40 years, you would probably say something like this: one that has boosted output a lot and looks capable of continuing to do so; one with land and water in reserve; one able to sustain a large cattle herd (it does not necessarily have to be efficient, but capable of improvement); one that is productive without massive state subsidies; and maybe one with lots of savannah, since the biggest single agricultural failure in the world during past decades has been tropical Africa, and anything that might help Africans grow more food would be especially valuable. In other words, you would describe Brazil.

Brazil has more spare farmland than any other country (see chart 3). The FAO puts its total potential arable land at over 400m hectares; only 50m is being used. Brazilian official figures put the available land somewhat lower, at 300m hectares. Either way, it is a vast amount. On the FAO’s figures, Brazil has as much spare farmland as the next two countries together (Russia and America). It is often accused of levelling the rainforest to create its farms, but hardly any of this new land lies in Amazonia; most is cerrado.

Brazil also has more water. According to the UN’s World Water Assessment Report of 2009, Brazil has more than 8,000 billion cubic kilometres of renewable water each year, easily more than any other country. Brazil alone (population: 190m) has as much renewable water as the whole of Asia (population: 4 billion). And again, this is not mainly because of the Amazon. Piauí is one of the country’s driest areas but still gets a third more water than America’s corn belt.

Of course, having spare water and spare land is not much good if they are in different places (a problem in much of Africa). But according to BrasilAgro, Brazil has almost as much farmland with more than 975 millimetres of rain each year as the whole of Africa and more than a quarter of all such land in the world.

Since 1996 Brazilian farmers have increased the amount of land under cultivation by a third, mostly in the cerrado. That is quite different from other big farm producers, whose amount of land under the plough has either been flat or (in Europe) falling. And it has increased production by ten times that amount. But the availability of farmland is in fact only a secondary reason for the extraordinary growth in Brazilian agriculture. If you want the primary reason in three words, they are Embrapa, Embrapa, Embrapa.


More food without deforestation

Embrapa is short for Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, or the Brazilian Agricultural Research Corporation. It is a public company set up in 1973, in an unusual fit of farsightedness by the country’s then ruling generals. At the time the quadrupling of oil prices was making Brazil’s high levels of agricultural subsidy unaffordable. Mauro Lopes, who supervised the subsidy regime, says he urged the government to give $20 to Embrapa for every $50 it saved by cutting subsidies. It didn’t, but Embrapa did receive enough money to turn itself into the world’s leading tropical-research institution. It does everything from breeding new seeds and cattle, to creating ultra-thin edible wrapping paper for foodstuffs that changes colour when the food goes off, to running a nanotechnology laboratory creating biodegradable ultra-strong fabrics and wound dressings. Its main achievement, however, has been to turn the cerrado green.

When Embrapa started, the cerrado was regarded as unfit for farming. Norman Borlaug, an American plant scientist often called the father of the Green Revolution, told the New York Times that “nobody thought these soils were ever going to be productive.” They seemed too acidic and too poor in nutrients. Embrapa did four things to change that.

First, it poured industrial quantities of lime (pulverised limestone or chalk) onto the soil to reduce levels of acidity. In the late 1990s, 14m-16m tonnes of lime were being spread on Brazilian fields each year, rising to 25m tonnes in 2003 and 2004. This amounts to roughly five tonnes of lime a hectare, sometimes more. At the 20,000-hectare Cremaq farm, 5,000 hulking 30-tonne lorries have disgorged their contents on the fields in the past three years. Embrapa scientists also bred varieties of rhizobium, a bacterium that helps fix nitrogen in legumes and which works especially well in the soil of the cerrado, reducing the need for fertilisers.

So although it is true Brazil has a lot of spare farmland, it did not just have it hanging around, waiting to be ploughed. Embrapa had to create the land, in a sense, or make it fit for farming. Today the cerrado accounts for 70% of Brazil’s farm output and has become the new Midwest. “We changed the paradigm,” says Silvio Crestana, a former head of Embrapa, proudly.

Second, Embrapa went to Africa and brought back a grass called brachiaria. Patient crossbreeding created a variety, called braquiarinha in Brazil, which produced 20-25 tonnes of grass feed per hectare, many times what the native cerrado grass produces and three times the yield in Africa. That meant parts of the cerrado could be turned into pasture, making possible the enormous expansion of Brazil’s beef herd. Thirty years ago it took Brazil four years to raise a bull for slaughter. Now the average time is 18-20 months.

That is not the end of the story. Embrapa has recently begun experiments with genetically modifying brachiaria to produce a larger-leafed variety called braquiarão which promises even bigger increases in forage. This alone will not transform the livestock sector, which remains rather inefficient. Around one-third of improvement to livestock production comes from better breeding of the animals; one-third comes from improved resistance to disease; and only one-third from better feed. But it will clearly help.

Third, and most important, Embrapa turned soyabeans into a tropical crop. Soyabeans are native to north-east Asia (Japan, the Korean peninsular and north-east China). They are a temperate-climate crop, sensitive to temperature changes and requiring four distinct seasons. All other big soyabean producers (notably America and Argentina) have temperate climates. Brazil itself still grows soya in its temperate southern states. But by old-fashioned crossbreeding, Embrapa worked out how to make it also grow in a tropical climate, on the rolling plains of Mato Grosso state and in Goiás on the baking cerrado. More recently, Brazil has also been importing genetically modified soya seeds and is now the world’s second-largest user of GM after the United States. This year Embrapa won approval for its first GM seed.

Embrapa also created varieties of soya that are more tolerant than usual of acid soils (even after the vast application of lime, the cerrado is still somewhat acidic). And it speeded up the plants’ growing period, cutting between eight and 12 weeks off the usual life cycle. These “short cycle” plants have made it possible to grow two crops a year, revolutionising the operation of farms. Farmers used to plant their main crop in September and reap in May or June. Now they can harvest in February instead, leaving enough time for a full second crop before the September planting. This means the “second” crop (once small) has become as large as the first, accounting for a lot of the increases in yields.

Such improvements are continuing. The Cremaq farm could hardly have existed until recently because soya would not grow on this hottest, most acidic of Brazilian backlands. The variety of soya now being planted there did not exist five years ago. Dr Crestana calls this “the genetic transformation of soya”.

Lastly, Embrapa has pioneered and encouraged new operational farm techniques. Brazilian farmers pioneered “no-till” agriculture, in which the soil is not ploughed nor the crop harvested at ground level. Rather, it is cut high on the stalk and the remains of the plant are left to rot into a mat of organic material. Next year’s crop is then planted directly into the mat, retaining more nutrients in the soil. In 1990 Brazilian farmers used no-till farming for 2.6% of their grains; today it is over 50%.

Embrapa’s latest trick is something called forest, agriculture and livestock integration: the fields are used alternately for crops and livestock but threads of trees are also planted in between the fields, where cattle can forage. This, it turns out, is the best means yet devised for rescuing degraded pasture lands. Having spent years increasing production and acreage, Embrapa is now turning to ways of increasing the intensity of land use and of rotating crops and livestock so as to feed more people without cutting down the forest.

Farmers everywhere gripe all the time and Brazilians, needless to say, are no exception. Their biggest complaint concerns transport. The fields of Mato Grosso are 2,000km from the main soyabean port at Paranaguá, which cannot take the largest, most modern ships. So Brazil transports a relatively low-value commodity using the most expensive means, lorries, which are then forced to wait for ages because the docks are clogged.

Partly for that reason, Brazil is not the cheapest place in the world to grow soyabeans (Argentina is, followed by the American Midwest). But it is the cheapest place to plant the next acre. Expanding production in Argentina or America takes you into drier marginal lands which are much more expensive to farm. Expanding in Brazil, in contrast, takes you onto lands pretty much like the ones you just left.


Big is beautiful

Like almost every large farming country, Brazil is divided between productive giant operations and inefficient hobby farms. According to Mauro and Ignez Lopes of the Fundacão Getulio Vargas, a university in Rio de Janeiro, half the country’s 5m farms earn less than 10,000 reais a year and produce just 7% of total farm output; 1.6m are large commercial operations which produce 76% of output. Not all family farms are a drain on the economy: much of the poultry production is concentrated among them and they mop up a lot of rural underemployment. But the large farms are vastly more productive.

From the point of view of the rest of the world, however, these faults in Brazilian agriculture do not matter much. The bigger question for them is: can the miracle of the cerrado be exported, especially to Africa, where the good intentions of outsiders have so often shrivelled and died?

There are several reasons to think it can. Brazilian land is like Africa’s: tropical and nutrient-poor. The big difference is that the cerrado gets a decent amount of rain and most of Africa’s savannah does not (the exception is the swathe of southern Africa between Angola and Mozambique).

Brazil imported some of its raw material from other tropical countries in the first place. Brachiaria grass came from Africa. The zebu that formed the basis of Brazil’s nelore cattle herd came from India. In both cases Embrapa’s know-how improved them dramatically. Could they be taken back and improved again? Embrapa has started to do that, though it is early days and so far it is unclear whether the technology retransfer will work.

A third reason for hope is that Embrapa has expertise which others in Africa simply do not have. It has research stations for cassava and sorghum, which are African staples. It also has experience not just in the cerrado but in more arid regions (called the sertão), in jungles and in the vast wetlands on the border with Paraguay and Bolivia. Africa also needs to make better use of similar lands. “Scientifically, it is not difficult to transfer the technology,” reckons Dr Crestana. And the technology transfer is happening at a time when African economies are starting to grow and massive Chinese aid is starting to improve the continent’s famously dire transport system.

Still, a word of caution is in order. Brazil’s agricultural miracle did not happen through a simple technological fix. No magic bullet accounts for it—not even the tropical soyabean, which comes closest. Rather, Embrapa’s was a “system approach”, as its scientists call it: all the interventions worked together. Improving the soil and the new tropical soyabeans were both needed for farming the cerrado; the two together also made possible the changes in farm techniques which have boosted yields further.

Systems are much harder to export than a simple fix. “We went to the US and brought back the whole package [of cutting-edge agriculture in the 1970s],” says Dr Crestana. “That didn’t work and it took us 30 years to create our own. Perhaps Africans will come to Brazil and take back the package from us. Africa is changing. Perhaps it won’t take them so long. We’ll see.” If we see anything like what happened in Brazil itself, feeding the world in 2050 will not look like the uphill struggle it appears to be now.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Brazil's agricultural miracle

por papinto, em 26.08.10
How to feed the world

The emerging conventional wisdom about world farming is gloomy. There is an alternative

Aug 26th 2010

The Economist

THE world is planting a vigorous new crop: “agro-pessimism”, or fear that mankind will not be able to feed itself except by wrecking the environment. The current harvest of this variety of whine will be a bumper one. Natural disasters—fire in Russia and flood in Pakistan, which are the world’s fifth- and eighth-largest wheat producers respectively—have added a Biblical colouring to an unfolding fear of famine. By 2050 world grain output will have to rise by half and meat production must double to meet demand. And that cannot easily happen because growth in grain yields is flattening out, there is little extra farmland and renewable water is running short.

The world has been here before. In 1967 Paul Ehrlich, a Malthusian, wrote that “the battle to feed all of humanity is over… In the 1970s and 1980s hundreds of millions of people will starve to death.” Five years later, in “The Limits to Growth”, the Club of Rome (a group of business people and academics) argued that the world was running out of raw materials and that societies would probably collapse in the 21st century.

A year after “The Limits to Growth” appeared, however, and at a time when soaring oil prices seemed to confirm the Club of Rome’s worst fears, a country which was then a large net food importer decided to change the way it farmed. Driven partly by fear that it would not be able to import enough food, it decided to expand domestic production through scientific research, not subsidies. Instead of trying to protect farmers from international competition—as much of the world still does—it opened up to trade and let inefficient farms go to the wall. This was all the more remarkable because most of the country was then regarded as unfit for agricultural production.

The country was Brazil. In the four decades since, it has become the first tropical agricultural giant and the first to challenge the dominance of the “big five” food exporters (America, Canada, Australia, Argentina and the European Union).

Even more striking than the fact of its success has been the manner of it. Brazil has followed more or less the opposite of the agro-pessimists’ prescription. For them, sustainability is the greatest virtue and is best achieved by encouraging small farms and organic practices. They frown on monocultures and chemical fertilisers. They like agricultural research but loathe genetically modified (GM) plants. They think it is more important for food to be sold on local than on international markets. Brazil’s farms are sustainable, too, thanks to abundant land and water. But they are many times the size even of American ones. Farmers buy inputs and sell crops on a scale that makes sense only if there are world markets for them. And they depend critically on new technology. As the briefing explains, Brazil’s progress has been underpinned by the state agricultural-research company and pushed forward by GM crops. Brazil represents a clear alternative to the growing belief that, in farming, small and organic are beautiful.

That alternative commands respect for three reasons. First, it is magnificently productive. It is not too much to talk about a miracle, and one that has been achieved without the huge state subsidies that prop up farmers in Europe and America. Second, the Brazilian way of farming is more likely to do good in the poorest countries of Africa and Asia. Brazil’s climate is tropical, like theirs. Its success was built partly on improving grasses from Africa and cattle from India. Of course there are myriad reasons why its way of farming will not translate easily, notably that its success was achieved at a time when the climate was relatively stable whereas now uncertainty looms. Still, the basic ingredients of Brazil’s success—agricultural research, capital-intensive large farms, openness to trade and to new farming techniques—should work elsewhere.


Plant the plains, save the forests

Third, Brazil shows a different way of striking a balance between farming and the environment. The country is accused of promoting agriculture by razing the Amazon forest. And it is true that there has been too much destructive farming there. But most of the revolution of the past 40 years has taken place in the cerrado, hundreds of miles away. Norman Borlaug, who is often called the father of the Green Revolution, said the best way to save the world’s imperilled ecosystems would be to grow so much food elsewhere that nobody would need to touch the natural wonders. Brazil shows that can be done.

It also shows that change will not come about by itself. Four decades ago, the country faced a farm crisis and responded with decisive boldness. The world is facing a slow-motion food crisis now. It should learn from Brazil.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Público 2010.08.23  Fernando Santo

Insistimos no caminho da melhoria das estatísticas por via administrativa, e temos uma "reforma à bolonhesa"


No passado dia 22 de Julho, o Conselho Nacional das Ordens Profissionais, que reúne associações públicas com mais de 220.000 profissionais, divulgou o início da recolha de assinaturas para uma petição que solicita à Assembleia da República a atribuição da equivalência do grau de mestre, na designação pré-Reforma de Bolonha, aos titulares de anteriores licenciaturas com formação superior de 5 e 6 anos.

A petição é aberta a todos os cidadãos que se sintam indignados pela injustiça produzida pela legislação da Reforma do Ensino Superior, dita de Bolonha, que passou a designar por licenciatura as formações de 3 anos, quando muitas centenas de milhares de portugueses tiveram que estudar 5 ou 6 anos, antes da reforma, para obter o mesmo grau académico de licenciado. Para a formação de 5 anos, após a reforma, o grau atribuído passou a ser o de mestre.

Não nos parece que em Portugal o ensino básico e secundário tenham evoluído tanto que permita aos alunos que pretendem entrar para o ensino superior tenham formações mais elevadas do que as obtidas antes da reforma. Por outro lado, também não é credível que os novos alunos do ensino superior, após a reforma, tenham uma capacidade excepcional, face aos anteriores, para obterem em apenas 3 anos a formação e as competências que os antigos alunos, com os mesmos professores, apenas conseguiam em 5 ou 6. Não se trata de ilusionismo, mas de simples branqueamento, por decreto, das diferenças entre as formações de 3 e de 5/6 anos. O mercado reconhece as diferenças, mas os concursos para admissão na administração pública ignoram-nas, colocando no mesmo nível de formação os antigos e os novos licenciados.

Mas não são apenas os antigos licenciados os prejudicados. Também os antigos mestres, que após 5/6 anos de ensino superior ainda tiveram que obter uma formação adicional de 2 anos, assistem agora à atribuição do mesmo grau ao fim de apenas 5 anos.

Esta prodigiosa transformação do saber e dos graus ficou a dever-se ao DL 74/2006, e foi completada pela Portaria 782/2009, que estabeleceu a Regulamentação do Quadro Nacional de Qualificações, e no qual o bacharelato (designação da formação de 3 anos antes da reforma) e a licenciatura foram colocadas no mesmo nível 6, sem diferenciar se as licenciaturas foram obtidas em 3 ou 5/6 anos. No nível 7 aparece apenas o grau de mestre, englobando formações pós reforma com 5 anos, e os antigos mestres com 6/7, ou mais anos.

Apesar de três ministros, Ciência, Trabalho e Educação, terem recebido proposta para correcção da portaria, entenderam manter o que não é compreensível, nem aceitável num Estado de direito.

A esmagadora maioria dos países da UE não aplicou o modelo português, mas por cá insistimos sempre no caminho da facilidade e da melhoria das estatísticas por via administrativa, e por isso temos uma "reforma à bolonhesa". De facto, se olharmos para o nosso sistema de ensino, ainda existem outros problemas mais graves, como sejam: as baixas notas nas disciplinas que deveriam ser específicas para acesso ao ensino superior e consequente dispensa das mesmas para que as escolas tenham alunos e financiamento; a crescente iliteracia e grave aumento da indisciplina nas escolas. Se juntarmos a proibição dos alunos chumbarem, então teremos a escola perfeita, sendo suficiente um balcão na loja do cidadão para os pais solicitem que seja atribuído aos filhos o grau académico que mais lhes convier.

Contudo, o sentido da justiça e o direito à indignação ainda não desapareceram da nossa sociedade. Decorridos apenas 18 dias sobre o início da petição, com recolha de assinaturas na Internet, http://peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx pi=pet1 mais de 14.000 cidadãos já a subscreveram, sendo a mais activa, e ocupando já a 7.ª posição entre as mais subscritas.

Só é lamentável que se tenha que recorrer a uma petição para se exigir o evidente.

Presidente do Conselho Nacional das Ordens Profissionais, ex- bastonário da Ordem dos Engenheiros

Autoria e outros dados (tags, etc)

20 | 08 | 2010   10.26H DESTAK

As instituições de Ensino Superior públicas vão poder utilizar os 20 por cento de receitas cativadas, desde que o seu uso seja "indispensável" ao cumprimento dos seus objectivos estratégicos, ao abrigo de uma excepção criada pelo Ministério das Finanças.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

O secretário de Estado Adjunto e do Orçamento, Emanuel dos Santos, assinou quarta feira um despacho no qual determina a constituição, a partir de setembro, por parte das universidades e politécnicos, de uma reserva de 20 por cento das verbas arrecadadas e inscritas na rubrica "taxas, multas e outras penalidades", tal como previsto no decreto de execução orçamental.

No entanto, lê-se no despacho, a que a Lusa teve acesso, "ficam as instituições de ensino superior públicas autorizadas a utilizar (...) as verbas inscritas na reserva desde que tal utilização seja indispensável para que os seus objetivos estratégicos sejam atingidos".

"A utilização da reserva prevista no ponto anterior deve ocorrer apenas depois de esgotado o recurso à gestão flexível e depois de adotadas medidas concretas tendo em vista contribuir para a melhoria do seu saldo", é outra das condições para a utilização daquelas verbas.

Numa resposta a questões colocadas pela agência Lusa, o Ministério das Finanças justificou o despacho com o facto de "algumas instituições" não terem ainda feito a reserva a que estavam obrigadas.

O gabinete de Teixeira dos Santos adianta ainda que a possibilidade de as universidades e politécnicos utilizarem a reserva de 20 por cento é "uma exceção", relativamente a outros serviços e organismos públicos, estimando entre 40 a 50 milhões de euros o valor total a cativar.

Questionado se a cativação das verbas não colocaria em causa o normal funcionamento das instituições, o ministério negou, remetendo para a possibilidade que o despacho abre de as universidades recorrerem às verbas cativadas para cumprir objetivos estratégicos.

Em declarações à agência Lusa, o presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos, adiantou que o primeiro ministro, numa reunião com reitores e presidentes, a 06 de junho, "assumiu que as instituições de ensino superior não seriam objeto de cativações", para que pudessem cumprir o objetivo de qualificar mais de 100 mil ativos, previsto no contrato de confiança assinado em janeiro.

"No entanto, as instituições de ensino superior são solidárias com o esforço nacional de contenção do défice. Voluntariaram-se ainda para estabelecer medidas internas de aumento de eficácia", afirmou Sobrinho Teixeira.

Para o responsável, o despacho significa uma cativação "do ponto de vista formal", prevista na legislação, mas fica garantido que as instituições podem utilizar essas verbas para cumprirem "os objetivos estratégicos previstos no contrato de confiança".

"As verbas ficarão cativadas e serão libertadas à medida que as instituições provem a necessidade da sua utilização para cumprimento do contrato de confiança", assegurou.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Público 2010.08.19 Carlos Dias

Vão ser precisos mais de 30 milhões de euros para recuperar e requalificar apenas oito das 49 infra-estruturas hidroagrícolas que se encontram obsoletas ou degradadas


 

Cerca de dois terços dos 25 aproveitamentos hidroagrícolas colectivos construídos e equipados pelo Estado no continente nos anos 60 do século passado, para fornecer água a quase 100 mil hectares de regadio, atingiram o seu tempo de vida útil. Esta informação está expressa num estudo elaborado pela Direcção-Geral da Agricultura e do Desenvolvimento Rural (DGARD), entidade que gere os sistemas de regadio nacionais.

O documento acentua que há equipamentos de rega que se encontram em situação de "colapso total" e que nestas condições "não é possível garantir o fornecimento de água aos beneficiários" de rega de norte a sul do país. Assim, "torna-se essencial que se dê cada vez mais atenção" à necessidade de intervenção nestes aproveitamentos de modo "a assegurar a sua renovação", adianta o estudo.

A dimensão das anomalias detectadas impõe uma intervenção que garanta a continuidade do regadio nos sistemas a necessitar de urgente recuperação ou requalificação, mas, como os recursos financeiros "são escassos", terá de haver "escolhas criteriosas" por parte da Autoridade Nacional do Regadio (ANR).

Mesmo assim, a "Operação de Reabilitação das Infra-estruturas Agrícolas", financiada pelo Programa de Desenvolvimento Regional (Proder), exige um investimento superior a 30 milhões de euros, quando inicialmente estavam previstos 21 milhões de euros. A ANR vistoriou 49 situações correspondentes a 15 aproveitamentos, mas só oito infra-estruturas hidroagrícolas é que vão ser sujeitas a obras de recuperação ou de requalificação, em função da verba disponibilizada no Proder.

Aos sinais de degradação que apresentam os sistemas de regadio de norte a sul do país junta-se o abandono progressivo de áreas de rega. José Núncio, presidente da Federação Nacional de Rega (Fenareg), dá o alerta: "Em 1989 existiam no continente 650 mil hectares de terras regadas. Em 2007 foram utilizados 422 mil hectares." Em pouco mais de sete anos deixaram de ser cultivados 234 mil hectares de regadio, uma quebra substancial que dificilmente será atenuada com os 110 mil hectares do sistema de Alqueva que estarão prontos até final de 2012, mas onde já é patente a baixa procura das culturas regadas, quando está concluída cerca de metade da área a regar que o projecto engloba.

O 3.º Congresso Nacional de Regadio, realizado em Beja no passado mês de Maio, deixou claro que o modelo até aqui seguido para o regadio terá de ser reequacionado.

O ex-ministro da Agricultura, Armando Sevinate Pinto, durante a sua intervenção no evento destacou que o país "está longe de atingir patamares razoáveis na gestão da água e do regadio" e sugeriu aos utilizadores deste modelo agrícola e à tutela que devem "priorizar-se" os regadios existentes em detrimento de novos sistemas.

Também a nível mundial a situação não é melhor. Rui Fragoso, docente na Universidade de Évora, sublinhou que, só na segunda metade do século XX, o Banco Mundial "apoiou a construção por todo o mundo de 45.000 barragens" para dar apoio a 389 milhões de hectares de regadio.

No entanto, este modelo tinha dois pressupostos que acabaram por "asfixiar" o sistema.

Incentivou o crescimento da procura, de que resultaram para o presente "impactes ambientais tremendos", a um ponto tal que nos anos 80 "o modelo entrou em crise", observou o docente, frisando que "hoje já não se defendem este tipo de investimentos" na medida em que a maior parte deles tem custos sociais elevados, expressos na "diminuição da oferta de água, a par do aumento da sua procura", salientou.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Público, 2010.08.19
Por Raquel Martins, Ana Tavares, Carlos Cipriano

Abandono de terras, quebra de produtividade, factor climático e reforma da Política Agrícola Comum explicam forte quebra na produção


A produção de cereais em 2010 ameaça ser das mais baixas das últimas décadas e deverá cair 20 por cento em relação a 2009. As previsões agrícolas do Instituto Nacional de Estatística (INE), ontem divulgadas, revelam que esta será a segunda pior campanha desde pelo menos 1986. De acordo com o INE, a produção de trigo, centeio, aveia e cevada não irá além das 223 mil toneladas. Pior só em 2005, ano em que a produção não chegou às 161 mil toneladas. E se olharmos mais para trás, entre 1990 e 2010, a produção cerealífera de Inverno caiu 63 por cento. Na década de 90, a produção de trigo mole (usado para produzir farinha) chegava quase às 273 mil toneladas e a produção de cevada era de pouco mais de 78.500 toneladas. Passados 20 anos, o trigo ceifado não deverá ultrapassar as 67 mil toneladas, um valor muito próximo das 55 mil toneladas de cevada que se espera produzir.

O INE atribui as produções "excepcionalmente baixas" à diminuição das áreas semeadas e às quebras de produtividade, devido ao "alagamento dos terrenos" e à "elevada presença de infestantes". Mas Arlindo Cunha, antigo ministro da Agricultura, considera que "o factor climático não foi o pior" e que a principal causa prende-se com a reforma de 2003 da Política Agrícola Comum (PAC). O ex-eurodeputado lembra que a PAC de 2003, altura em que as ajudas aos agricultores foram desligadas da produção, levou a que as pessoas prefiram "não plantar e receber o subsídio". Arlindo Cunha defende que antes da próxima revisão da PAC - prevista para 2013 - é necessário fazer-se uma análise detalhada sobre as culturas nos vários países, de forma a que os subsídios sejam dados consoante o nível de produtividade, pois "nas regiões menos produtivas, essa prática [ajudas desligadas da produção] pode levar ao abandono". O antigo ministro diz que a diminuição da área semeada é também consequência dos preços pagos aos produtores "que são cada vez mais baixos".

Também Francisco Avilez, professor do Instituto Superior de Agronomia, considera que o decréscimo da produção de cereais em Portugal ao longo das últimas décadas se deve às alterações que foram sendo introduzidas na PAC. Mas isso não significa, na opinião deste especialista, que a futura revisão da política agrícola europeia lhe mude o rumo. "A grande questão sobre o futuro da PAC é como orientar uma parte significativa dos apoios, de forma a viabilizar determinado tipo de sistemas com preocupações ambientais e sociais", salienta, alertando que não faz sentido continuar a proteger o mercado interno. Francisco Avilez acrescenta que a produção de cereais de sequeiro só faz sentido para manter determinados ecossistemas e uma economia rural em certas regiões e não para concorrer nos mercados internacionais, onde não tem qualquer hipótese, já que se trata de uma cultura de sequeiro com uma produtividade inferior à conseguida pelos restantes parceiros europeus.

Já o presidente da Associação Nacional de Produtores de Proteaginosas, Oleaginosas e Cereais (ANPOC), Bernardo Albino, responsabiliza a "falta de uma estratégia política". "Há tantos planos e estratégias, por que é que não há um para a produção de cereais", questiona. O dirigente defende que "o país devia ser ambicioso" quanto à produção e manutenção dos stocks de cereais, já que, alerta, apenas 25 por cento dos cereais consumidos em Portugal são produzidos em solo nacional e os restantes 75 por cento vêm de fora. O presidente da ANPOC frisa ainda, em linha com Arlindo Cunha, que "os preços pagos ao produtor são baixos", facto que leva a que cada vez mais "pessoas abandonem as terras ou optem por outras plantações".

Frutas caem 30 por cento

As perspectivas para a fruticultura também não são animadoras, onde o INE prevê quebras de 15 por cento na produtividade dos pomares de pessegueiros e de 30 por cento nas macieiras e pereiras, cuja apanha ainda não se iniciou. São os próprios produtores que confirmam estes dados. Torres Paulo, da Frutus, uma empresa do Cadaval que produz 15 mil toneladas por ano de pêra rocha, maçã e ameixa, diz que ao nível da pêra a quebra até é capaz de ser um pouco superior a 30 por cento. Para o também dirigente da Associação Nacional de Produtores de Pêra Rocha (ANP), esta descida explica-se por duas razões: "[Em 2009] a produção atingiu um valor recorde e era difícil haver outro ano assim, e já estávamos à espera de uma quebra de 10 por cento. Os outros 20 por cento explicam-se por razões climatéricas."

Esta descida acompanha uma tendência europeia, embora seja mais acentuada em Portugal. Numa reunião em Kiev a 6 de Agosto, os representantes dos produtores europeus já previam uma quebra global média de 19 por cento da fruta em Portugal, Espanha e Itália. Apesar de tudo, a situação portuguesa não é dramática: "Quando a produção é demasiada, os preços descem e no ano passado, devido ao pico de produção, tivemos pela primeira vez dificuldade em escoar tudo, coisa que não tinha acontecido nos anos anteriores." A Frutus, que factura cerca de 7 milhões de euros por ano, exporta 80 por cento da sua produção, sobretudo para Inglaterra, Irlanda, França e Brasil. Torres Paulo diz que uma das coisas boas que tem acontecido nos últimos anos é ter andado em contraciclo com os concorrentes (França, Espanha e Itália) com grandes produções em Portugal a coexistirem com quebras naqueles mercados. Joana Arroz, secretária-geral da ANP, considera que ainda é cedo para falar das consequências da quebra na produção. "Vamos ver. Se os preços subirem em virtude da menor produção, a situação não é preocupante. Mas se não subirem devido à crise, aí a situação já pode ser dramática", realça.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Público 2010-08-19

Desde 2003, a PAC passou a atribuir menos apoios aos agricultores das regiões mais desfavorecidas

 _____

Na reforma de 2003 da Política Agrícola Comum, a União Europeia decidiu desligar o apoio directo aos agricultores em função da produção, medida aprovada na anterior reforma de 1992.

O objectivo desta alteração foi "orientar as decisões de produção dos agricultores em função do mercado e não do tipo de subsídio existente", que do ponto de vista internacional era "considerado um factor de distorção." Foi então introduzido um regime de pagamento único a cada exploração agrícola, "dissociado da produção", "baseado em superfícies e número de cabeças" e estabelecido "com base em direitos anteriores, num período de referência".

Para aceder a este regime, um dos critérios era que os produtores apenas praticassem actividade no ano de acesso, sendo considerada como tal apenas "manutenção das terras em boas condições agrícolas e ambientais".

Apesar das alterações, a PAC continua a absorver grande parte do orçamento comunitário, e deverá ser revista em 2013.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Negligência

por papinto, em 18.08.10
Elias o sem abrigo, de R. Reimão e Aníbal F, JN 20100818

Autoria e outros dados (tags, etc)

A produção nacional de cereais de Outono-Inverno foi das “mais baixas das últimas décadas”. Dados do INE revelam que, face a 2009, houve um decréscimo de um quinto na produção, quando no conjunto do ano passado a produção já tinha caído 23 por cento.

 

As previsões agrícolas de Julho, divulgadas hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), estimam que a campanha cerealífera em curso seja das mais baixas dos últimos tempos, consequência da “diminuição das áreas semeadas e das quebras de produtividades”. A contribuir para a diminuição das áreas plantadas estiveram as condições climatéricas, as fortes chuvas de Inverno foram as principais responsáveis.

Estas previsões de Julho podem já ser vistas como uma antevisão quanto a uma possível quebra na produção cerealífera nacional em 2010, que poderá ser um dos piores anos das duas últimas décadas.

No final do ano passado, os dados referentes à agricultura revelaram que 2009 foi também um ano mau, com uma queda de 23 por cento do volume de produção, face ao ano anterior. As condições do estado do tempo foram, também no ano passado, um dos principais motivos para as quebras registadas na produtividade.

A colheita deste ano “está praticamente concluída”, pelo que é já possível adiantar que vários foram os cereais a registar quebras na produtividade. O milho de regadio foi um deles, a superfície plantada este ano rondou os 88 mil hectares, extensão semelhante à de 2009, mas a mais baixa dos últimos 20 anos. A produção de batata de regadio deverá ter uma quebra de cinco por cento face a 2009, resultado do encharcamento observado em alguns terrenos. Cinco por cento é também o valor previsto para a descida na produção de tomate para a indústria, a ser colhido entre Setembro e Outubro.

O INE prevê ainda que a produção de árvores de fruto também venha a ser afectada. “As perspectivas para a fruticultura também não são animadoras, prevendo-se quebras de 30 por cento nos pomares de macieiras e pereiras e 15 por cento nos pessegueiros” revela o documento.

Apesar das quebras verificadas no período Outono-Inverno, as culturas de Primavera-Verão têm apresentado um “desenvolvimento vegetativo relativamente normal para época”, concluiu o INE.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/2







subscrever feeds