Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Jornal do Algarve, 26 de Feverero de 2011

http://www.jornaldoalgarve.pt/

 

 

Produção da campanha 2010/11 atingiu as 70 mil toneladas e o país caminha para a autosuficiência.

A produção nacional de azeite cifrou-se na campanha 2010/2011 nas 70 mil toneladas, o dobro do que se produzia em 2006, devendo o país alcançar a autosustentação dentro de 4 a 5 anos, anunciou hoje a Casa do Azeite (CA).

Em declarações à agência Lusa, Mariana Matos, vice presidente da CA, afirmou que, “se a questão da qualidade nunca se colocou, a questão da produção em quantidade está ultrapassada”, tendo acrescentado que Portugal deverá alcançar a autosustentação em 2015/2016, um valor que se cifra nas 100 mil toneladas.

Segundo disse aquela responsável, Portugal é hoje o quinto maior produtor mundial de azeite tendo acrescentado que o volume de exportações “cresceu de forma sustentada”, 22,5 por cento ao ano, desde 2006 até 2011.

“Invertemos o paradigma das exportações de menor qualidade e o crescimento qualitativo é sustentado com a exportação de azeite virgem extra, que acrescenta volume e valor, para países como os EUA, Brasil, Venezuela, Angola e Coreia do Sul”, apontou.

Negócio de €310 milhões

Mariana Matos disse ainda que o volume de negócios atingiu em 2010 um volume global de 310 milhões de euros, dos quais 130 ME advêm diretamente da exportação de azeite.

“Em 2006 Portugal exportava 20 mil toneladas de azeite e hoje, cinco anos depois, exportamos 44,5 mil toneladas, 62 por cento das quais para o Brasil”, referiu aquela responsável.

Para a CA, “promover, valorizar e estimular” o consumo interno é o grande desafio que hoje se apresenta no plano interno, tendo em conta que Portugal apresenta consumos per capita “muito abaixo” dos restantes países mediterrânicos.

“Os portugueses consomem hoje 6 a 7 quilos de azeite por ano, metade do consumo per capita dos espanhóis”, disse Mariana Matos, tendo observado que o consumo português “está estagnado devido a problemas estruturais”.

Valorizar a fileira do azeite

Tendo considerado “importante” a realização do I Congresso Ibérico do Azeite, que vai decorrer em Abrantes, para “discutir ideias, analisar o mercado e equilibrar procedimentos” com os produtores espanhóis, Mariana Matos apelou à “imaginação” para valorizar a fileira.

“É preciso promover e valorizar todos os elos da cadeia de produção do azeite, desde o modernizar da imagem, ao integrar na alimentação, é preciso mais investigação e avanços tecnológicos no produto, chegar mais longe nos mercados internacionais e desenvolver um trabalho mais coordenado de promoção do azeite”, defendeu.

“Todos os elos da cadeia de valor devem ser postos em evidência, seja no âmbito da cosmética, dos bio- combustíveis, aproveitamento para biomassa, folhas para chás, indústria farmacêutica, pondo em evidência os benefícios do azeite seja para a pele seja para uma alimentação saudável”, vincou.

Com o objetivo de mobilizar produtores e olivicultores e estabelecer parcerias que contribuam para a valorização do azeite no espaço luso-espanhol, a cidade de Abrantes vai acolher, entre sexta feira e domingo, o I Congresso Ibérico do Azeite.

JA/Rede Expresso

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags: